Correios anunciam aumento médio de 8,03% para Sedex e PAC

Os Correios anunciaram o reajuste médio de 8,03% nos serviços de Sedex e PAC a partir do dia 6 de março. Os percentuais de reajustes podem variar de acordo com as regiões, uma vez que os custos de operação também são distintos, segundo a estatal.

De acordo com os Correios, o valor médio é próximo à variação do IGP-M de 2018, que foi de 7,54%.

No ano passado, as tarifas de Sedex e PAC tiveram aumento que variou de 8% a 51%, quando a inflação ficou em torno de 3%, o que acabou gerando protestos por empresas de e-commerce.

De acordo com os Correios, desta vez, haverá redutores de preço de até 4% para o PAC em contratos de varejo, para os clientes que realizarem a pré-postagem de forma eletrônica.

A estatal explica que, para a manutenção dos redutores de preço nas postagens de encomendas das micro e pequenas empresas, há o pacote básico que pode ser contratado pela internet e oferece preços mais competitivos em relação aos praticados na modalidade de pagamento à vista, além de permitir faturamento das postagens e não possuir cobrança de valor mínimo mensal.

Os Correios anunciaram ainda a retomada do pacote de serviços Encomenda 1 – que estava suspensa desde o ano passado -, com cobrança mínima mensal de R$ 1 mil em consumo de serviços de encomendas. Os clientes que não atingirem esse valor podem optar pelo pacote básico que isenta a cobrança de cota mínima.

Outra novidade será o fim da exigência de quantidade mínima de encomendas. A concessão dos pacotes de serviços de encomendas será norteada pelo valor mínimo mensal.

Outros reajustes foram anunciados na semana passada nas tarifas postais. A correção média autorizada para este ano é de 0,3893% para serviços nacionais e internacionais.

Na semana passada, os Correios lançaram uma ferramenta que traz produtos importados dos EUA para o Brasil.

Em agosto do ano passado, os Correios começaram a cobrar R$ 15 de todas as encomendas internacionais que chegarem ao país pela empresa. Esse despacho postal só era cobrado de objetos tributados pela Receita Federal, mas, segundo a estatal, o aumento das importações a obrigou a cobrar de todas as encomendas para manter “o padrão do serviço”.

Fonte: G1 (Lei mais)

Diário Oficial publica novos valores de serviços dos Correios

Os Correios reajustaram hoje (31) as tarifas de alguns dos serviços. A tabela com os novos preços está publicada no Diário Oficial da União.

O telegrama nacional redigido pela internet, por exemplo, passou de R$ 8,15 por página, para R$ 8,19. O preço dos primeiros portes da carta comercial e a carta não comercial permanecerão os mesmos, de R$ 1,95 e R$ 1,30, respectivamente. A correção média deste ano, de 0,3893%, também não incide sobre os segmentos de encomendas e marketing, que são concorrenciais.

De acordo com a Portaria nº 349/2019, do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, o reajuste, válido para serviços nacionais e internacionais, tem por base o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumulado de outubro a dezembro de 2018.

Fonte: Agência Brasil (Leia mais)

Documentos perdidos podem estar disponíveis nas agências dos Correios

Com as festas de fim de ano, é muito comum a perda de documentos pessoais. Para ajudar o cidadão a encontrá-los, os Correios oferecem o serviço Achados e Perdidos, disponível em todas as agências centrais do país. A consulta à relação de documentos disponíveis para retirada pode ser feita em qualquer unidade ou no site dos Correios.

Instituído há mais de 30 anos, o serviço tem como objetivo encurtar o tempo e reduzir o custo da busca por documentos perdidos. Mensalmente, em todo o Brasil, mais de 20 mil documentos são disponibilizados para retirada, no entanto, apenas 3% deles são procurados e devolvidos aos proprietários. Os demais são remetidos ao órgão emissor.

Aqueles que encontrarem documentos de terceiros podem depositá-los no guichê de qualquer agência dos Correios ou em caixas de coleta. Uma vez recebidos, os documentos são acondicionados em envelopes e guardados, ficando disponíveis para retirada durante 60 dias.

Para retirar o documento perdido, o cidadão deve apresentar outro documento que comprove sua titularidade e pagar uma tarifa de R$ 5,70. Documentos sob a guarda dos Correios só poderão ser entregues aos proprietários ou seus representantes legais, devidamente reconhecidos. Caso seja constatado que o documento perdido esteja em uma cidade diferente da qual o proprietário se encontra, é possível fazer uma solicitação para que ele seja enviado à agência mais próxima.

Fonte: Chico Terra (Leia mais)

STJ suspende liminar que obrigava Correios a entregarem em áreas de risco em SP

presidente do Superior Tribunal da Justiça (STJ), ministro João Otávio de Noronha, suspendeu na quinta-feira (20) a liminar que obrigava os Correios a entregarem em regiões consideradas de risco em São Paulo, após recurso da empresa negado pelo Tribunal Regional Federal (TRF).

A medida foi imposta pelo TRF após os Correios alegarem que não entregariam em tais regiões devido ao risco às encomendas e aos funcionários responsáveis pela entrega. A empresa dispõe de um mapeamento das localidades em que foram contabilizados maior número de roubos durante operações de entrega.

A Defensoria Pública da União entrou com uma ação civil contra a medida dos Correios com relação às chamadas Áreas com Restrição para Entregas (AREs), alegando prejuízo aos moradores de regiões periféricas por uma responsabilidade de segurança que cabe ao Estado.

Além disso, a Defensoria diz que a medida da empresa conflita com a isonomia de tratamento para os seus clientes, fazendo-os buscar suas encomendas nas agências ao não possibilitar a entrega domiciliar disponível para outras regiões.

Atendendo à demanda da Defensoria, o TRF aceitou a ação contra os Correios e expediu a liminar obrigando-os a dar continuidade às entregas nas regiões de São Paulo mapeadas como perigosas. Recorrendo à instancia superior, o STJ, os Correios conseguiram derrubar a liminar alegando a segurança de seus funcionários.

Segundo a assessoria do STJ, os direitos do consumidor não são violados, pois as entregas são feitas nas filiais mais próximas à moradia dos destinatários.

Fonte: E-commercebrasil (Leia mais)

Como saber qual agencia do correio esta minha encomenda

Quando se está fazendo uma compra pela internet, seja de produto importado, seja de produto nacional surgem muitas duvidas, entre elas é: como saber qual agencia do correio esta minha encomenda?

O padrão de entrega dos correios é que sua encomenda deve chegar diretamente no seu endereço cadastrado no ato do envio, mas em alguns casos especias sua encomenda pode simplesmente não chegar em sua casa, como proceder e saber onde retirar sua encomenda?

Casos em que a encomenda não chega em sua casa

  • Foi tributado pela receita federal em caso de tarifas alfandegarias de importação
  • Foi tributado pela fazenda estadual em caso de ICMS não recolhido na fonte
  • Endereço errado ou inelegível
  • Três tentativas de entrega sem exito
  • Casos especias

Todos estes casos, exceto o ultimo, são mais comuns de se acontecer do que imaginamos e para todos eles há uma solução.

Como proceder nestes casos?

A forma mais fácil e segura de se saber em qual agência do correio sua encomenda se encontra é através do código de rastreio.

O código de rastreio é um número do próprio correios brasileiro que é gerado para toda encomenda entregue através do mesmo.

Normalmente este código deve ser fornecido pelo vender no ato do aviso do envio de sua compra. Assim que você recebe uma mensagem informando que sua encomenda foi enviada neste aviso deve conter o código de rastreio.

Com este código você pode consultar o andamento de sua encomenda pelo próprio sistema de rastreamento dos correios, seja no site ou no aplicativo para smartphone dos correios.

No rastreamento constará o endereço correto da agência onde seu pacote aguarda para ser retirado.

E quando não possui o código de rastreamento?

Neste caso é um pouco mais difícil, porém não se desespere, ainda há solução!

Se você tem certeza de que forneceu o endereço correto, com CEP de sua residência ou pelo menos a sua cidade e estado correto, faça o seguinte:

  • Tenha em mãos os seu CEP;
  • Entre no site oficial dos correios;
  • Vá em localizar agencias
  • Digite o seu endereço;
  • Veja o resultado da busca.

Muito provavelmente, 99% das vezes, sua encomenda estará na agência mais próxima da sua casa, mas você não precisa ir até lá para verificar.

Basta telefonar para a agência (o número será informado no próprio site) e pedi para verificarem para você se há encomendas no seu nome aguardando retirada.

O atendente consegue fazer essa consulta através do sistema, mesmo sem o código de rastreio.

E em casos especias não citados no artigo, como proceder?

Bom, nesses casos muito especias, que dificilmente acontecem você pode fazer suas coisas:

  • Entrar em contato com a central de atendimento dos correios informando sua situação e verificar se há como resolver.
  • Você pode simplesmente esperar que sua encomenda retorne para o remetente e comunicar a ele que faça o envio novamente, dessa vez com os dados corretos.

Fonte: Eu importador (Leia mais)