O que as pessoas mais compram pela internet?

Para quem deseja investir no e-commerce, saber o que as pessoas mais compram pela Internet é um dos primeiros filtros na hora de estruturar um projeto de e-commerce de sucesso.

É claro que atualmente a Internet é um dos grandes canais de informação e diversão, mas também é um ambiente em que pessoas compram, pesquisam por produtos e compartilham suas experiências de uso.

Os motivos que fazem as pessoas comprarem pela Internet são muitos. Maior opção de produtos, modelos, condições de pagamento e preços mais baixos do que os praticados nas lojas físicas.

Isso passa a falsa impressão de que qualquer loja virtual que você venha a abrir, será, inevitavelmente um grande sucesso. Se você for por esse caminho, corre o sério risco de fracassar.

Quando discutimos a questão de o que as pessoas mais compram pela Internet, estamos falando de um dos principais fatores de sucesso de um e-commerce. A aceitação de compra no mundo online.

É claro que existe uma variedade quase infinita de produtos à venda na Internet, mas alguns produtos se destacam entre os mais procurados pelos consumidores.

Setores como o de livros e assinaturas, eletrodomésticos, moda e acessórios, e cosméticos são os destaques.

O que as pessoas mais compram pela Internet

O último relatório Webshoppers, publicado pela consultoria e-Bit, mostra bem a distribuição do faturamento entre os diversos setores.

Segundo o relatório a distribuição pelo critério de faturamento obedece a seguinte ordem:

  • Livros, assinaturas e apostilas – 14%
  • Eletrodomésticos – 13 %
  • Moda e acessórios – 12 %
  • Cosméticos e saúde – 12 %
  • Telefonia celular – 9 %

No gráfico abaixo, é possível perceber que existe uma grande concentração de faturamento em torno de dez segmentos, o que sugeriria uma forte competição nestas áreas.

Mas o fato é que existem alternativas para que o pequeno e médio empreendedor possa evitar essa competição.

Uma das alternativas é a atuação em mercados de nicho, isto é, mercados muito específicos nos quais, na maioria das vezes, as grandes marcas não têm interesse em atuar.

Podemos inclusive dizer que um dos segredos para quem deseja saber como montar uma loja virtual de sucesso é justamente focas nestes nichos de mercado. Para saber mais leia o nosso artigo As Vantagens do E-commerce de Nicho.

Vejamos o caso do e-commerce de moda, por exemplo. Existe uma acirrada concorrência entre as grandes lojas que atuam em diversos segmentos. Se você optar por trabalhar com o segmento de e-commerce de moda plus size, não enfrentará essa concorrência.

Outro ótimo exemplo seria o setor de telefonia celular, o quinto colocado da lista. Vender o aparelho em si, seria entrar em um mercado onde acontece uma verdadeira briga de foice.

Por outro lado, vender acessórios para estes aparelhos é uma opção onde você encontrará menos concorrência e margens maiores.

Agora que você já sabe o que as pessoas mais compram pela Internet, já dá para dar um foco mais claro em seu projeto de e-commerce e aumentar as suas chances de sucesso. Mantenha-se informado assinando a nossa Newsletter.

Fonte: Guia de ecommerce (Leia mais)

material escolar

Economizar até 40% nas compras de material escolar

Dez dicas para economizar até 40% nas compras

Comprar materiais escolares pode ser uma dor-de-cabeça para os pais. O reajuste nos preços dos produtos somado às despesas de fim de ano e janeiro obriga muitas famílias a fazer malabarismo. Mas especialistas garantem que existem algumas estratégias que podem ajudar a aliviar o bolso.  O CORREIO conversou com o presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), Reinaldo Domingos, que contou que a melhor opção nessas horas é a boa e velha pesquisa de preços. “A cotação é importante porque possibilita economizar de 10% a 40% na lista de materiais escolares”, afirmou.  Confira dez dicas valiosas para garantir a economia.

  1. Busque em casa materiais do ano anterior que podem ser reaproveitados, como cadernos, borrachas, lápis e canetas, por exemplo. Segundo os especialistas, essa caça pode gerar uma economia de 15% no orçamento.
  2. Faça uma busca na internet dos produtos que contêm na sua lista, comparando valores e marcas. A partir dessas informações, você estará apto para identificar os valores de mercado e saberá até quanto deve pagar por cada item.
  3. Nem todo mundo tem uma reserva disponível para comprar os materiais escolares à vista. Não é à toa que as lojas costumam parcelar em até 12 vezes. Mas, se tiver uma poupança destinada para este fim,   não pense duas vezes. Há escolas que concedem até 20% de desconto para o pagamento dos módulos à vista.
  4. Como a cidade é grande, não dá para sair batendo perna de loja em loja para saber onde encontrar os melhores preços. Então, para ganhar tempo e dinheiro, escolha um grupo de lojas e envie a lista de material por email. Com a cotação em mãos, você vai saber onde pagará menos.
  5. Você precisa pensar uma estratégia de compra. Pode optar por pegar os produtos em três ou mais lojas ou pode convencer o vendedor da loja que tem o maior número de mercadorias mais baratas a fazer um abatimento no valor dos itens que estão mais caros.
  6. Quem é professor e precisa comprar livros didáticos ou paradidáticos para os filhos tem descontos  de 15%, em média,  quando faz a compra direto com a editora. Para isso, basta apresentar o contra-cheque ou qualquer outro documento que prove o vínculo profissional.
  7. Todos os anos há os personagens da moda, que as crianças querem  ter na mochilha, no caderno, na lancheira estampados por eles. Mas isso  vai deixar a sua conta muito mais salgada. Pra evitar birra, deixe a criança em casa na hora da compra.
  8. Veja se os livros que o seu filho precisa  não estão disponíveis para venda nos sebos da cidade ou até mesmo se não é possível comprá-los usados nas mãos de pais dos alunos que cursaram aquela série no ano anterior.
  9. Nem tudo é permitido na lista de material escolar. Produtos de limpeza, de uso coletivo ou administrativo, por exemplo, são proibidos. Caso encontre algum deles na sua lista, informe à escola a irregularidade. Se eles insistirem em mantê-los na lista, acione o Procon.
  10. Comece a fazer a pesquisa de preços o quanto antes porque o mercado segue a lei da Mais Valia, determinada pela oferta e a procura. Quanto mais as lojas estiverem cheias de clientes, menor é a chance de conseguir um bom desconto.

FONTE: https://www.correio24horas.com.br

comprar livros material escolar

Oito dicas ajudam a economizar na hora de comprar material escolar

Devido à falta de educação financeira, diversas despesas se acumulam e as famílias se perdem em meio a tantas contas para pagar

Para quem tem filhos, um dos maiores gastos do início do ano, sem dúvida, é o material escolar. A situação pode ficar ainda mais complicada para aqueles que não se planejaram, isso porque os itens ficarão, em média, 10% mais caros a partir de janeiro, segundo a Associação Brasileira dos Fabricantes e Importadores de Artigos Escolares (Abfiae).

Devido à falta de educação financeira, diversas despesas se acumulam e as famílias se perdem em meio a tantas contas para pagar, muitas vezes, ultrapassando o limite de seu orçamento financeiro.

Para começar, o consumidor deve lembrar o quanto precisam trabalhar para conseguir o salário. A partir daí, fica fácil valorizar esse dinheiro, aprendendo a pesquisar preço e, principalmente, a negociar os valores das compras.

Então, o primeiro passo é realizar um diagnóstico da vida financeira da família, para saber exatamente quais são os ganhos e gastos mensais e quanto poderá dispor para a aquisição do material escolar.

Veja algumas orientações sobre o assunto:

  1. Essa despesa é recorrente, ou seja, precisa fazer parte do planejamento anual. Para que os gastos não fiquem muito pesados em janeiro, é válido poupar durante todo o ano para conseguir fazer os pagamentos à vista e obter bons descontos;
  2. Antes ir às compras, a família pode analisar itens do ano passado e selecionar tudo o que pode ser usado novamente este ano, como tesoura, régua e mochila, por exemplo;
  3. No caso dos livros, vale a pena procurar pais de alunos mais velhos para emprestar ou comprar por um preço mais acessível, se estiverem em boas condições de uso;
  1. Algo interessante é reunir alguns pais e comprar itens em atacado, como caixas de lápis, cadernos e agendas;
  1. A partir daí, é preciso fazer muitas pesquisas e traçar um orçamento para ter noção do gasto total;
  1. Não é preciso necessariamente comprar todos os itens na mesma loja, mas se for fazer é válido pedir descontos;
  1. No dia das compras, converse com os filhos sobre o orçamento, para que não corram o risco de se deixar levar pelo impulso e gastar mais do que o planejado;
  1. O ideal é sempre fazer os pagamentos à vista, mas se não for possível, opte por poucas parcelas que caibam no bolso, para não comprometer as finanças de 2019 por vários meses.

MBL lança manifesto pela privatização dos Correios

Vídeo: Em São Paulo, MBL lança manifesto pela privatização dos Correios

Grupo lança manifesto e aponta ineficiência dos Correios

O núcleo municipal do Movimento Brasil Livre em São Paulo está divulgando através de suas redes sociais um manifesto que pede a privatização dos Correios.

De acordo com o portal Reclame Aqui, as principais reclamações de clientes dos Correios são a má qualidade do serviço prestado, os atrasos nas entregas e a demora na execução. Somente em 2018 a empresa recebeu aproximadamente 60 mil reclamações e nenhuma teria sido solucionada ou ao menos atendida.

No vídeo divulgado pelo grupo eles apontam a ineficiência no serviço prestado pela estatal e pedem a sua privatização.

Lançamos o “Manifesto do MBL – São Paulo pela privatização dos Correios”. O dinheiro dos brasileiros não merece, não pode e não será utilizado dessa maneira!

Posted by MBL – São Paulo on Monday, February 4, 2019

O coordenador municipal do MBL em São Paulo, Guto Zacarias, falou ao News sobre o manifesto.

‘’Sobre estatais, Roberto Campos nos dizia “Se ela é eficiente, não precisa do monopólio; se é ineficiente, não o merece”. Esse é o caso dos Correios, prestam um serviço pífio, da prejuízo, tem casos de corrupção e uma administração custosa e inchada. O dinheiro dos brasileiros não merece ser usado dessa forma’’, afirmou Zacarias.

O grupo ainda pretende realizar uma série de atos tendo a privatização dos Correios como tema, mas ainda não divulgou as datas.

FONTE: https://www.mblnews.org