Atraso nas entregas crescem 14%

Reclamações de atraso na entrega pelos Correios crescem 14% em 2018 no site Reclame Aqui

Nos últimos 3 anos, 60 mil consumidores reclamaram da demora no serviço.

Levantamento divulgado pelo site Reclame Aqui aponta aumento de 14% nas reclamações referentes a atraso na entrega de encomendas pelos Correios em 2018 em relação a 2017.

Apesar disso, o aumento foi menor que o registrado de 2016 para 2017, quando a estatal teve 28% a mais de queixas no Reclame Aqui.

Os Correios informaram que em seus registros verificou-se que em 2017 o número de reclamações nos canais oficiais da empresa representaram 0,37% do total de objetos entregues naquele ano. Já em 2018, as reclamações registradas representaram 0,34% do total de objetos entregues – veja nota na íntegra abaixo.

Entre 2016 e 2018, foram 60 mil reclamações referentes ao atraso de encomendas. O número vem aumentando – passou de 16.009 em 2016 para 23.482 em 2018.

grafico reclame aqui

O mês com maior número de queixas é dezembro, por conta do Natal e também pela Black Friday, que acontece em novembro e gera reclamações de produtos não recebidos.

Além disso, nenhuma das 60.260 reclamações recebidas em 2018 foi respondida pelos Correios. Consequentemente, a estatal fechou o ano com reputação “Não Recomendado” no site. Nesse total de reclamações entram outras queixas além do atraso na entrega, como qualidade do serviço prestado, demora na execução de outros serviços dos Correios, mau atendimento e entrega no endereço errado.

“Os Correios são o maior fornecedor logístico dos e-commerces brasileiros, assim sendo, em toda entrega que for realizada, eles são parte da cadeia de consumo, já que são remunerados diretamente pela entrega do produto, que por sua vez faz parte do contrato de compra e venda estabelecido entre o cliente e o e-commerce”, explica o diretor de operações do Reclame Aqui, Diego Campos.

Veja nota dos Correios na íntegra:

Os Correios possuem canais oficiais de relacionamento com os clientes (0800-725-0100 ou em http://www2.correios.com.br/sistemas/falecomoscorreios/), por isso não respondem às reclamações do site Reclame Aqui. Em histórico apurado nos registros dos Correios, verificou-se que em 2017, o número de reclamações nos canais oficiais da empresa representaram 0,37% do total de objetos entregues naquele ano. Já em 2018, as reclamações registradas representaram 0,34% do total de objetos entregues. Essa queda no número de reclamações é inversamente proporcional à melhora da qualidade operacional dos Correios. Em dezembro do ano passado, por exemplo, o percentual de encomendas entregues no prazo foi de 99%, ou seja, a cada 100 objetos, 99 foram entregues rigorosamente no prazo.

FONTE: https://g1.globo.com

cartão demorando a chegar

Cartão de crédito SANTANDER demorando

Cartão de crédito SANTANDER demorando, o que fazer?

Conforme orientações do próprio banco no site Reclame Aqui, segue as orientação do que deve ser feito:

  • Central de atendimentoconsultas, informações e transações:
    • 4004-3535 (capital e regiões metropolitanas)
    • 0800702 3535 (demais localidades)
    • 0800723 5007 pessoas com deficiência auditiva ou de fala.
  • SAC – Reclamações, cancelamentos e informações:
    • 0800 7627777
    • 0800 7710401 pessoas com deficiência auditiva ou de fala
    • no exterior ligue a cobrar para 55 (11) 3012 3336
  • Ouvidoria:
    • 0800 7260322
    • 0800 7710301 pessoas com deficiência auditiva ou de fala ( disponível das 9 hs as 18 hs segunda a sexta feira, exceto feriados )
  • APLICATIVO SANTANDER:
    • Disponível no Google Play e App Store APLICATIVO: SANTANDER WAY
    • Disponível no Google Play e App Store WWW.SANTANDER.COM.BR
  • TWITTER: @SANTANDER_BR
  • FACEBOOK: SANTANDER BRASIL

Atrasos nas correspondências em vários bairros geram reclamações

Moradores de alguns bairros denunciam que há meses estão tendo transtornos devido à irregularidade das correspondências. Atrasos nas entregas, cartas que não chegam e demora na retirada das correspondências no prédio dos Correios localizado na Rua Floriano Peixoto estão entre as queixas.

O autônomo Enildo Albergaria relatou que os problemas começaram cerca de dois meses atrás.

– De um tempo para cá não estamos recebendo as entregas como antes, quando vem é uma vez por semana. Já teve época de ficar uns 15 a 20 dias sem entregas, precisei enfrentar fila na lotérica e não consegui quitar a dívida, fui avisado no guichê que era necessário o código de barras da fatura, mesmo a operadora tendo garantido que conseguiria, precisei me dirigir até o banco e aguardar mais um tempo de espera. Se toda vez que alguém precisar pagar uma conta tiver que passar por esse procedimento vai ficar complicado – disse.

Enildo contou ainda que tanto ele como os vizinhos entraram em contato com os Correios que alegaram a mudança de carteiros na área como o motivo das irregularidades.

– Eu e outras pessoas já ligamos para os Correios, inclusive a última vez tem poucos dias, fomos informados que o carteiro que fazia as nossas entregas mudou, só que já tem tempo, agora não sei qual o verdadeiro motivo. Não temos conhecimento se nossas correspondências estão sendo entregues em outro local. Achei que com a modernidade as coisas iriam melhorar, mas não é o que temos visto – falou.

A dona de casa Maria de Fátima Evangelista de Almeida também tem passado dificuldades em relação as entregas. Antigamente o carteiro visitava o bairro três vezes por semana, agora não tem dia definido.

– Não estamos mais recebendo cartas corretamente há muito tempo. Quando o carteiro faz as entregas é grande o número de contas parece que eles deixam acumular para entregar tudo de uma vez. E quando chegam já estão vencidas há dias, e o problema é que somos nós que pagamos os juros – contou.

Com a irregularidade das entregas, a dona de casa relatou que precisa buscar as faturas dos cartões no banco, para evitar pagar juros.

– Fui ao banco retirar a fatura, porém fico muito tempo na fila. Tenho um bebê e assim como eu, muitas pessoas não podem perder tempo andando de um lado para o outro se o certo era isso chegar em nossas casas – disse.

Além de não receber as correspondências adequadamente em casa, os moradores estão encontrando dificuldades ao tentar retirar no prédio dos Correios, localizado na Rua Marechal Floriano Peixoto, nº 91, no Centro. A dona de casa explicou que apesar de ter feito reclamações anteriores, apenas um funcionário fica encarregado de despachar as entregas, o que acaba acarretando grandes filas.

– Novamente fui nos correios da Floriano Peixoto, mais uma vez a fila estava imensa e tinha somente um funcionário para atender. É absurdo o tempo de espera e um desrespeito com os moradores, sem contar que o horário de atendimento começa a partir das 13h. Ás vezes as pessoas aproveitam um momento do dia ou uma brecha no horário de almoço para tentar pegar suas cartas e simplesmente não conseguem, vi algumas pessoas que já estavam aguardando há algum tempo ir embora sem serem atendidas por que tinha outros compromissos – contou.

Procurado pelo Diário de Petrópolis, os Correios afirmaram que as correspondências estão sendo entregues regularmente e que, seguindo a determinação do Ministério da Ciência Tecnologia, Inovações e Comunicações (Portaria nº 1.203 de 7 de março de 2018), os Correios implantaram o serviço de DDA (Distribuição Domiciliar Alternada), que realiza a entrega em dias alternados durante a semana.

Trata-se de um modelo já praticado em outros países do mundo, tendo em vista a queda vertiginosa de mensagens, resultante da introdução de novas tecnologias na rotina da sociedade. O carteiro realiza a distribuição em dias alternados em um mesmo endereço.

É importante frisar que a alternância é exclusiva para o segmento de mensagens (cartas, boletos, etc), ou seja, para serviços como SEDEX, PAC, telegrama e encomendas internacionais, as entregas continuam sendo diárias.

Ainda que as entregas estejam ocorrendo de forma regular, os Correios realizarão o acompanhamento das entregas nos endereços citados, a fim de garantir a qualidade do serviço.

Fonte: Diário de Petrópolis (Leia o artigo completo)

MPF/SC quer que Correios indenizem destinatários em caso de atraso ou extravio de encomendas

A ação, proposta pelo procurador da República Carlos Augusto de Amorim Dutra, busca garantir os direitos e interesses dos consumidores previstos na Constituição Federal e no Código de Defesa do Consumidor.

O Ministério Público Federal em Santa Catarina (MPF/SC) propôs ação civil pública com pedido de tutela de urgência para que a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) indenize o destinatário, quando houver atraso ou extravio de correspondências ou encomendas no território nacional, mesmo nos casos em que a origem seja internacional. A ação, proposta pelo procurador da República Carlos Augusto de Amorim Dutra, busca garantir os direitos e interesses dos consumidores previstos na Constituição Federal e no Código de Defesa do Consumidor.

Protocolada na última segunda-feira, 24, o MPF/SC requer que os Correios sejam obrigados a indenizar o destinatário ou remetente pelos prejuízos causados em virtude de atraso de entrega de correspondência ou encomenda. Em caso de extravio, deverá ser considerado o valor total declarado, conforme nota, cupom fiscal, formulário de declaração de conteúdo ou outro documento apresentado pelo destinatário ou remetente.

Os inquéritos civis que fundamentaram o pedido foram instaurados no MPF/SC depois que consumidores se manifestaram na página da ECT na internet e obtiveram como resposta a informação de que os objetos teriam sido extraviados. Além disso, a empresa informou que somente o remetente teria legitimidade para receber a indenização, devendo o destinatário, se assim entendesse, requerer a indenização do alegado prejuízo ao operador de origem (China, Rússia).

Segundo o procurador Carlos Augusto, a ação tem o objetivo de compelir os Correios a adequarem o posicionamento referente à indenização dos consumidores à legislação e entendimentos judiciais vigentes.

Fonte: dnsul (Leia o artigo completo)

Palestinos recebem correspondências com oito anos de atraso

Palestinos recebem correspondências com oito anos de atraso

Compras feitas pela internet e cartas enviadas da Jordânia vinham sendo retidas pelos israelenses desde 2010. Material foi liberado nesta semana.

Palestinos na Cisjordânia estão prestes a receber mais de 10 toneladas de correspondência retida por Israel ao longo dos últimos 8 (oito) anos.

Funcionários dos correios têm nos últimos dias vasculhado milhares de sacos de correspondência na cidade de Jericó, na Cisjordânia, depois que autoridades israelenses permitiram nesta semana a entrada das cartas e pacotes da vizinha Jordânia.

Algumas das 10,5 toneladas de correspondência estavam retidas na Jordânia desde 2010 porque Israel ainda não permite sua transferência direta para a Autoridade Palestina na Cisjordânia, disseram autoridades palestinas. Outros pacotes e cartas foram barrados ao longo dos últimos oito anos.

Correspondência com destino à Cisjordânia e à Faixa de Gaza, que têm suas fronteiras sob controle israelense, primeiro passam por Israel para a realização de verificações de segurança.

Autoridades israelenses disseram que a transferência foi um gesto isolado e que medidas devem ser tomadas para implementar um acordo de 2016 que permita ligações diretas de correspondência internacional com a Cisjordânia.

Nos correios em Jericó, uma cadeira de rodas com carimbos de 2015  e brinquedos estavam entre os itens a ser entregues ao destinatários finais.

“Uma equipe foi formada na cidade para entregar a correspondência às pessoas o mais rápido possível”, disse Hussein Sawafta, diretor-geral do serviço postal palestino.

No entanto, Ramadan Ghazawi, um funcionário dos correios palestinos, disse que alguns materiais poderiam ter dificuldades para serem entregues porque os conteúdos tinham vazado de caixas e envelopes estragados, enquanto os endereços em outras correspondências não estavam claros.

“Há brinquedos para crianças. Talvez elas tivessem um ano quando os presentes foram enviados. Agora elas têm oito”, disse Ghazawy.

JPS/afp