Atrasos nas correspondências em vários bairros geram reclamações

Moradores de alguns bairros denunciam que há meses estão tendo transtornos devido à irregularidade das correspondências. Atrasos nas entregas, cartas que não chegam e demora na retirada das correspondências no prédio dos Correios localizado na Rua Floriano Peixoto estão entre as queixas.

O autônomo Enildo Albergaria relatou que os problemas começaram cerca de dois meses atrás.

– De um tempo para cá não estamos recebendo as entregas como antes, quando vem é uma vez por semana. Já teve época de ficar uns 15 a 20 dias sem entregas, precisei enfrentar fila na lotérica e não consegui quitar a dívida, fui avisado no guichê que era necessário o código de barras da fatura, mesmo a operadora tendo garantido que conseguiria, precisei me dirigir até o banco e aguardar mais um tempo de espera. Se toda vez que alguém precisar pagar uma conta tiver que passar por esse procedimento vai ficar complicado – disse.

Enildo contou ainda que tanto ele como os vizinhos entraram em contato com os Correios que alegaram a mudança de carteiros na área como o motivo das irregularidades.

– Eu e outras pessoas já ligamos para os Correios, inclusive a última vez tem poucos dias, fomos informados que o carteiro que fazia as nossas entregas mudou, só que já tem tempo, agora não sei qual o verdadeiro motivo. Não temos conhecimento se nossas correspondências estão sendo entregues em outro local. Achei que com a modernidade as coisas iriam melhorar, mas não é o que temos visto – falou.

A dona de casa Maria de Fátima Evangelista de Almeida também tem passado dificuldades em relação as entregas. Antigamente o carteiro visitava o bairro três vezes por semana, agora não tem dia definido.

– Não estamos mais recebendo cartas corretamente há muito tempo. Quando o carteiro faz as entregas é grande o número de contas parece que eles deixam acumular para entregar tudo de uma vez. E quando chegam já estão vencidas há dias, e o problema é que somos nós que pagamos os juros – contou.

Com a irregularidade das entregas, a dona de casa relatou que precisa buscar as faturas dos cartões no banco, para evitar pagar juros.

– Fui ao banco retirar a fatura, porém fico muito tempo na fila. Tenho um bebê e assim como eu, muitas pessoas não podem perder tempo andando de um lado para o outro se o certo era isso chegar em nossas casas – disse.

Além de não receber as correspondências adequadamente em casa, os moradores estão encontrando dificuldades ao tentar retirar no prédio dos Correios, localizado na Rua Marechal Floriano Peixoto, nº 91, no Centro. A dona de casa explicou que apesar de ter feito reclamações anteriores, apenas um funcionário fica encarregado de despachar as entregas, o que acaba acarretando grandes filas.

– Novamente fui nos correios da Floriano Peixoto, mais uma vez a fila estava imensa e tinha somente um funcionário para atender. É absurdo o tempo de espera e um desrespeito com os moradores, sem contar que o horário de atendimento começa a partir das 13h. Ás vezes as pessoas aproveitam um momento do dia ou uma brecha no horário de almoço para tentar pegar suas cartas e simplesmente não conseguem, vi algumas pessoas que já estavam aguardando há algum tempo ir embora sem serem atendidas por que tinha outros compromissos – contou.

Procurado pelo Diário de Petrópolis, os Correios afirmaram que as correspondências estão sendo entregues regularmente e que, seguindo a determinação do Ministério da Ciência Tecnologia, Inovações e Comunicações (Portaria nº 1.203 de 7 de março de 2018), os Correios implantaram o serviço de DDA (Distribuição Domiciliar Alternada), que realiza a entrega em dias alternados durante a semana.

Trata-se de um modelo já praticado em outros países do mundo, tendo em vista a queda vertiginosa de mensagens, resultante da introdução de novas tecnologias na rotina da sociedade. O carteiro realiza a distribuição em dias alternados em um mesmo endereço.

É importante frisar que a alternância é exclusiva para o segmento de mensagens (cartas, boletos, etc), ou seja, para serviços como SEDEX, PAC, telegrama e encomendas internacionais, as entregas continuam sendo diárias.

Ainda que as entregas estejam ocorrendo de forma regular, os Correios realizarão o acompanhamento das entregas nos endereços citados, a fim de garantir a qualidade do serviço.

Fonte: Diário de Petrópolis (Leia o artigo completo)

MPF/SC quer que Correios indenizem destinatários em caso de atraso ou extravio de encomendas

A ação, proposta pelo procurador da República Carlos Augusto de Amorim Dutra, busca garantir os direitos e interesses dos consumidores previstos na Constituição Federal e no Código de Defesa do Consumidor.

O Ministério Público Federal em Santa Catarina (MPF/SC) propôs ação civil pública com pedido de tutela de urgência para que a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) indenize o destinatário, quando houver atraso ou extravio de correspondências ou encomendas no território nacional, mesmo nos casos em que a origem seja internacional. A ação, proposta pelo procurador da República Carlos Augusto de Amorim Dutra, busca garantir os direitos e interesses dos consumidores previstos na Constituição Federal e no Código de Defesa do Consumidor.

Protocolada na última segunda-feira, 24, o MPF/SC requer que os Correios sejam obrigados a indenizar o destinatário ou remetente pelos prejuízos causados em virtude de atraso de entrega de correspondência ou encomenda. Em caso de extravio, deverá ser considerado o valor total declarado, conforme nota, cupom fiscal, formulário de declaração de conteúdo ou outro documento apresentado pelo destinatário ou remetente.

Os inquéritos civis que fundamentaram o pedido foram instaurados no MPF/SC depois que consumidores se manifestaram na página da ECT na internet e obtiveram como resposta a informação de que os objetos teriam sido extraviados. Além disso, a empresa informou que somente o remetente teria legitimidade para receber a indenização, devendo o destinatário, se assim entendesse, requerer a indenização do alegado prejuízo ao operador de origem (China, Rússia).

Segundo o procurador Carlos Augusto, a ação tem o objetivo de compelir os Correios a adequarem o posicionamento referente à indenização dos consumidores à legislação e entendimentos judiciais vigentes.

Fonte: dnsul (Leia o artigo completo)

Palestinos recebem correspondências com oito anos de atraso

Palestinos recebem correspondências com oito anos de atraso

Compras feitas pela internet e cartas enviadas da Jordânia vinham sendo retidas pelos israelenses desde 2010. Material foi liberado nesta semana.

Palestinos na Cisjordânia estão prestes a receber mais de 10 toneladas de correspondência retida por Israel ao longo dos últimos 8 (oito) anos.

Funcionários dos correios têm nos últimos dias vasculhado milhares de sacos de correspondência na cidade de Jericó, na Cisjordânia, depois que autoridades israelenses permitiram nesta semana a entrada das cartas e pacotes da vizinha Jordânia.

Algumas das 10,5 toneladas de correspondência estavam retidas na Jordânia desde 2010 porque Israel ainda não permite sua transferência direta para a Autoridade Palestina na Cisjordânia, disseram autoridades palestinas. Outros pacotes e cartas foram barrados ao longo dos últimos oito anos.

Correspondência com destino à Cisjordânia e à Faixa de Gaza, que têm suas fronteiras sob controle israelense, primeiro passam por Israel para a realização de verificações de segurança.

Autoridades israelenses disseram que a transferência foi um gesto isolado e que medidas devem ser tomadas para implementar um acordo de 2016 que permita ligações diretas de correspondência internacional com a Cisjordânia.

Nos correios em Jericó, uma cadeira de rodas com carimbos de 2015  e brinquedos estavam entre os itens a ser entregues ao destinatários finais.

“Uma equipe foi formada na cidade para entregar a correspondência às pessoas o mais rápido possível”, disse Hussein Sawafta, diretor-geral do serviço postal palestino.

No entanto, Ramadan Ghazawi, um funcionário dos correios palestinos, disse que alguns materiais poderiam ter dificuldades para serem entregues porque os conteúdos tinham vazado de caixas e envelopes estragados, enquanto os endereços em outras correspondências não estavam claros.

“Há brinquedos para crianças. Talvez elas tivessem um ano quando os presentes foram enviados. Agora elas têm oito”, disse Ghazawy.

JPS/afp

Usuários do Correios reclamam do atraso na entrega de encomendas

Usuários do Correios reclamam do atraso na entrega de encomendas

A redução no número de funcionários é um dos motivos.

A redução no número de funcionários e o aumento na demanda são alguns dos motivos que fazem com que as entregas dos correios atrasem. Em Imperatriz, é comum ver pessoas em busca de encomendas atrasadas.

Na cidade o Correios atende em quatro agências, mas somente a unidade localizada na Avenida Dorgival Pinheiro de Sousa recebe os usuários dos que desejem retirar encomendas ou abrir reclamações.

Dona Maria de Lourdes aguarda por encomendas enviadas pelo filho que mora no exterior, ela conta que a espera ultrapassa muito os prazos.

“Sempre demora, tanto pra eu mandar, quando pra receber. E essa espera gera angustia, se fosse mais rápido, iria evitar muita dor de cabeça”, comenta.

Mas o problema segue também com encomendas e correspondências vindas aqui mesmo do estado do Maranhão. O autônomo Faustino Gomes reclama que todos os boletos chegam com atraso.

“Já aconteceu de chegar boletos com três meses de atraso, em alguns casos as correspondências dos três meses chegam juntos e já vencidos”, fala.

Fonte: ma10.com.br ( leia o artigo completo )

Crise nos Correios gera atrasos na entrega de compras online

Crise nos Correios gera atrasos na entrega de compras online

Déficit de servidores tem contribuído para que as encomendas demores a chegar aos consumidores

Déficit estimado em 1.600 trabalhadores no quadro de funcionários dos Correios no Ceará vem contribuindo para o atraso na entrega de encomendas aos consumidores do Estado. Quem realiza compras pela internet, por exemplo, precisa ter muita paciência para receber os produtos. Mesmo que as empresas enviem as mercadorias para os clientes no prazo estimado, os itens costumam ficam travados por meses nas unidades dos Correios antes de chegar ao destino.

O problema representa uma contradição, pois, ao passo que o número de compras feitas pela internet aumenta no Brasil e no Ceará, a quantidade de servidores dos Correios diminui. Com isso, o consumidor, que busca a melhor relação custo-benefício ao adquirir mercadorias online, é o grande prejudicado.O Estado conta atualmente com 2.673 empregados concursados da empresa. Segundo a secretária geral do Sindicato dos Trabalhadores em Correios, Telégrafos e Similares do Ceará (Sintect-CE), Carolina Pantaleão, cerca de 2 mil atuam na Região Metropolitana de Fortaleza e o restante no Interior.

Ela diz que o número de servidores dos Correios no Ceará deveria ser de 4.400 pessoas. O déficit de 1.600 pessoas no quadro de funcionários da empresa também estaria sendo responsável pelo aumento na quantidade de reclamações na Central de Atendimento dos Correios. Grande parte das queixas também são feitas porque os objetos costumam ser extraviados, chegando depois de muito tempo na casa do consumidor.

Carolina lembra que o último concurso público para os Correios ocorreu em 2011. Desde então, a empresa vem perdendo servidores por meio dos Planos de Demissão Voluntária (PDVs). O presidente dos Correios, Guilherme Campos, já disse que a empresa reabrirá o PDV ainda em 2017. O programa, aberto no início deste ano, não atingiu a meta, que era de 8 mil empregados, com previsão de economia entre R$ 700 mi e R$ 1 bi.

Hoje, os Correios têm em torno de 17 mil trabalhadores elegíveis ao programa, com mais de 55 anos de idade ou mais de 15 anos de tempo de serviço.

“Atualmente, a empresa dispõe de 108 mil funcionários em todo o Brasil. Em 2012, após o concurso, esse número chegou a 130 mil”, afirma Carolina, destacando que o governo federal estima a adesão de mais 5 mil funcionários ao programa. “Temos 58 mil trabalhadores com perfil para aderir”, acrescenta.

De acordo com ela, em 2012, o Ceará tinha 3.500 servidores dos Correios. O número, que deveria ter crescido nos últimos anos para atender ao aumento da demanda, caiu.

“Para reverter essa situação, o governo federal precisa realizar concurso público, ao invés de incentivar demissões. Não tem outro caminho”,

observa, criticando a sobrecarga de trabalho e o desgaste dos servidores.

Quadro 11% maior

Em relação ao efetivo no Ceará, os Correios informam existe a necessidade de ampliar em 11% o quadro atual, de 2.673 empregados concursados, o que representaria a contratação de quase 300 funcionários.

Para garantir a regularidade das entregas no Brasil, a estatal destaca e está otimizando processos internos e investindo em automação para ampliar a capacidade de triagem de encomendas. Conforme a empresa, isso está sendo feito por meio de atualização tecnológica dos equipamentos já em operação e da aquisição de novas máquinas. A primeira unidade a receber a expansão foi o centro logístico de Cajamar (SP), que atende empresas que vendem pela internet.

No Ceará, a estatal diz que ampliou, neste mês, a sua capacidade de transporte dos objetos postados em São Paulo com destino ao Estado. A empresa também informa que reforçou as equipes de distribuição com a contratação de 50 profissionais sob o regime de mão de obra temporária. De acordo com a estatal, outras medidas adotadas são a realização de horas extras e de trabalhos aos fins de semana.

Prazo: demora frustra consumidores

O músico Lucas Mesquita comprou uma correia para guitarra pela internet esperando receber o produto em até 15 dias, conforme prazo estimado pela empresa nacional que vendeu o item. A espera, porém, durou cerca de cinco meses. Como não recebeu a mercadoria dentro do prazo estabelecido, ele recebeu de volta o valor pago pelo item, que foi vendido por um preço muito atrativo. Quando a correia finalmente chegou, Lucas entrou em contato com a empresa para informar sobre o caso e realizar o depósito do dinheiro de novo. O problema teria ocorrido por conta de um extravio da encomenda nos Correios.

O eletrotécnico Natan Souza sempre costuma fazer compras pela internet. Uma vez, comprou de uma empresa canadense um relógio que monitora os batimentos cardíacos. O prazo estipulado para a mercadoria chegar era de 60 dias, mas depois de três meses, sem o relógio em mãos, o consumidor pediu o reembolso do valor pago. Segundo ele, pelo rastreamento dos Correios, o objeto aparecia como perdido. O produto só chegou nove meses depois do reembolso, totalizando um ano de demora. Natan informou à empresa e pagou menos pelo relógio, pois o preço do frete não foi cobrado.

Para reclamações, críticas e sugestões, a estatal dispõe do site www2.correios.com.br/sistemas/falecomoscorreios/ e do telefone ou 0800-725-0100.