Rastreamento internacional

Objetos postados no Brasil

O rastreamento para objetos postados no Brasil com código iniciado por “R” e “C” não é garantido fora do território brasileiro. Para esses objetos, os Operadores postais de outros países podem não disponibilizar e/ou transmitir informação de rastreamento para o Brasil. Sendo assim, consultas de rastreamento de objetos podem também ser realizadas nos sites dos operadores de destino disponíveis em: http://www.upu.int/en/the-upu/member-countries.html.

Objetos postados no Exterior

O serviço contratado pelo remetente na origem determina o nível de informação de rastreamento dos objetos em nosso site.

Neste contexto, os objetos registrados recebidos do exterior que apresentam código iniciado por “R”, não possuem rastreamento ponto a ponto, ou seja, as informações no sistema de rastreamento incluem apenas os eventos de: recebimento no Brasil e entrega, tentativa de entrega ou aguardando retirada na unidade responsável. Em alguns casos, pode haver os eventos de: encaminhamento para fiscalização; tributação e saída da fiscalização.

Fonte: Correios (Leia mais)

Correios proíbem entrega de baterias de lítio avulsas no Brasil

Seguindo a orientação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), os Correios passarão a não mais fazer entregas de baterias avulsas a partir do dia 31 de janeiro de 2019. A decisão surgiu da publicação em janeiro deste ano de um regulamento a respeito do transporte de objetos que são considerados perigosos em aeronaves civis, feito pela própria Anac.

 Artigo perigoso significa artigo ou substância que, quando transportada por via aérea, pode constituir risco à saúde, à segurança, à propriedade e ao meio ambiente e que figure na Lista de Artigos Perigosos ou esteja classificada conforme o DOC. 9284-AN/905.

Isso significa que, para a maioria dos trechos, está proibida a entrega de encomendas que contenham baterias ou pilhas de lítio ou íons de lítio, que são geralmente as baterias encontradas em aparelhos eletrônicos como smartphones e notebooks. O que mais chama atenção é que em alguns desses casos, o envio é proibido mesmo que a bateria em questão esteja acoplada ao aparelho. Nesses casos, será impossível enviar e receber smartphones e notebook de um local para o outro.

Tipos de encomendas que podem ou não transportar baterias

É o caso de encomendas enviadas pelo Sedex 10 (nacional e estadual), Sedex 12 (nacional ou estadual), Sedex simples (nacional) e quatro trechos do Sedex simples estadual: Amazonas (de Manaus para Carauari, Eurinepé, Envira, Tabatinga, São Paulo de Olivença ou Tefé), Pará (de Belém para Santarém), Pernambuco (de Recife para Fernando de Noronha) e Acre (de Rio Branco para Porto Walter, Marechal Thaumaturgo, Jordão ou Santa Rosa do Purus). Neles, serão proibidos os despachos que contenham baterias e pilhas, mesmo que elas estejam acopladas aos aparelhos.

As postagens estaduais são as que acontecem entre duas cidades distintas, mas que estão no mesmo Estado. Já as nacionais são as encomendas que são enviadas em uma cidade e entregues em outra cidade em estado diferente da origem.

Já para os envios de PAC, Sedex Hoje, Sedex Local (todos os trechos), e no caso de Sedex 10 e Sedex 12 que sejam locais, ou seja, dentro do mesmo estado, as encomendas serão aceitas desde que as baterias estejam acopladas no aparelho tecnológico. Ou seja, baterias já conectadas em smartphones e notebooks, por exemplo. Os Correios ainda afirmaram ao E-Commerce Brasil que:

“Baterias que estejam fora não poderão ser postadas em nenhuma hipótese”

Ou seja, baterias e pilhas separadas estarão proibidas independente do tipo de postagem nos Correios. Na prática isso barra o envio de smartphones novos que venham com a bateria separada dentro da caixa. Por sorte atualmente a maioria dos aparelhos mais atuais estão vindo com baterias não-removíveis, o que ao menos os colocam passíveis de envio a depender da modalidade e o tipo de encomenda em questão.

A Anac também comentou a restrição e afirmou que ela já existe desde 2016. Ela originou de uma determinação feita pela Organização de Aviação Civil Internacional (OACI) e não contempla apenas os Correios e sim qualquer tipo de transportadora.

Como vai funcionar a fiscalização

E com esse novo regulamento, os Correios já começaram a treinar seus funcionários e definir os novos procedimentos que visam a segurança e que deverão começar a ser adotados por toda a rede de atendimento. Isso ajudará com que a mudança seja feita de forma organizada e com o máximo de informação possível para os usuários.

Isso acontecerá de forma simples. Ao chegar aos Correios para fazer uma postagem de uma encomenda, o cliente será questionado se naquele pacote contém algum tipo de bateria ou pilha. Esse é um procedimento que é comum por exemplo em aeroportos, onde os oficiais perguntam se os passageiros estão com objetos inflamáveis ou perfuro cortantes. E isso servirá para todos os clientes, até os que possuem contrato com os Correios.

Esse questionamento é feito porque por não ser um órgão fiscalizador, os Correios não podem abrir o pacote e conferir a presença de pilhas ou baterias ali. Ou seja, eles serão postados fechados como vieram e a responsabilidade do cumprimento da lei é do próprio remetente. Por isso é importante que os clientes tenham consciência e conhecimento sobre a regulamentação, já que se tornará responsável por observar essa legislação.

Caso o cliente afirme que está levando bateria ou pilha, ele será questionado se ela está acoplada em algum equipamento. Caso negativo, a postagem não será feita. Caso positivo, o atendente vai precisar verificar qual é o tipo de postagem para saber se ela se encaixa nas que permitem esse envio. Se sim, a postagem será feita. Se não, não será aceita e o atendente explicará o motivo.

Esse procedimento acontece no momento da postagem, e isso evita situações em que seja necessário devolver algumas encomendas, principalmente a lojas durante compras. Vale lembrar que apesar dos exemplos, isso vale para uma diversidade de equipamentos que podem ser de uso pessoal ou até mesmo de hospitais e comércio.

Fonte: Showmetech (Leia mais)

 

 

Como rastrear um objeto?

Para consultar o rastreamento de um objeto, basta informar seu código de registro na página de rastreamento.

Este código, presente no ticket comprovante de postagem, é composto por 13 dígitos alfanuméricos, organizados da seguinte forma:

A consulta também pode ser realizada pelo CPF/CNPJ do destinatário ou do remetente, caso esse dado tenha sido informado no momento da postagem.

O CPF é o Cadastro de Pessoa Física. Ele é um documento emitido pela Receita Federal, tem 11 dígitos e é único para cada cidadão brasileiro.

Ex: 123.456.789-09.

O CNPJ é o Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica. Também é emitido pela Receita Federal, tem 14 dígitos e é único para cada pessoa jurídica brasileira (empresa, entidade, órgão público, etc).

Ex: 12.345.678/9012-34

Fonte: Correios (Leia mais)

 

Wish ameaça cortar investimentos no Brasil após taxa dos Correios

A decisão dos Correios de cobrar uma taxa de R$ 15 de todas as encomendas internacionais pode fazer com que a Wish corte seus investimentos no Brasil. Pelo menos essa é o que afirma Nicola Azevedo, executivo da empresa para a região da América do Sul, que aguarda para ver o impacto da medida no volume de vendas.

Hoje, o Brasil é um dos dez maiores mercados da Wish. Em entrevista à revista Veja, Azevedo disse que a empresa está disposta a conversar com os Correios, mas, se acabar muito afetada pela nova cobrança, levará o montante aplicado por aqui a outros países. A declaração é simples e breve, mas demonstra um movimento que pode acontecer com outras companhias internacionais, principalmente chinesas, que também têm forte operação por aqui.

O maior problema é que a chamada taxa de despacho postal praticamente inviabiliza a aquisição de produtos de baixo valor, importados por preços normalmente bem abaixo dos aplicados por aqui. Na maioria das vezes as lojas praticam um regime de frete grátis, mas, com uma taxa de R$ 15 aplicada a todas as compras, os itens acabarão deixando de compensar para o consumidor, que já tinha que aguardar meses para recebê-los.

A expectativa dos Correios com a nova medida é de arrecadar R$ 90 milhões por mês com o pagamento dos tributos. Entretanto, de acordo com a reportagem, a estatal também deve enfrentar um reflexo da nova medida, com 70% das encomendas internacionais que já estão no Brasil ou a caminho daqui sendo abandonadas. Com isso, a empresa acaba tendo gastos adicionais, uma vez que é a responsável pela manutenção de depósitos e, também, por enviar de volta os produtos.

Na ocasião do anúncio, o presidente dos Correios, Carlos Fortner, defendeu a aplicação da taxa, afirmando que ela é necessária para compensar os custos de triagem, análise, alertas aos usuários e demais serviços de logística. O novo tributo também estaria relacionado a um aumento de 80% no volume de produtos importados entregues pela estatal entre 2016 e 2017 — o crescimento, ao final do primeiro semestre, já é de 32% em relação ao ano passado. São de 100 mil a 300 mil encomendas recebidas todos os dias.

A aplicação da taxa também colocou os Correios na mira do Procon do Rio de Janeiro, que iniciou uma investigação sobre a cobrança e exigiu explicações sobre sua aplicação repentina. O maior ponto, aqui, é o anúncio e cobrança em caráter imediato, a partir do dia 28 de agosto, sem aviso aos lojistas e consumidores, mas aplicada mesmo a encomendas enviadas ou já tramitando no Brasil antes desta data.

Até o anúncio, a chamada taxa de despacho postal era cobrada somente de encomendas tributadas pela Receita Federal, no momento da retirada ou em sistema online, para permitir pagamento. Agora, porém, o mesmo vale para absolutamente todos os pacotes vindos do exterior.

Fonte: Canaltech (Leia o artigo completo)

Greve dos correios: 3 opções práticas e eficazes para correios em greve

Correios publica edital com ofertas para todo o Brasil

Foi publicado, no último dia 5 de outubro, o edital do concurso dos Correios (Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos), com oportunidades em 25 Estados e no Distrito Federal.
A seleção vai preencher 88 vagas, além de formar cadastro reserva, em cargos nas áreas de engenharia, saúde e segurança.

Oportunidades

Nível médio e formação técnica são requisitos para auxiliar de enfermagem do trabalho júnior (12 postos) e técnico em segurança do trabalho (21). Os salários são de R$ 1.876,43 e R$ 2.534,14, respectivamente.
As oportunidades com exigência de curso superior são para enfermeiro do trabalho júnior (2), engenheiro de segurança do trabalho júnior (9) e médico do trabalho júnior (44). A remuneração oferecida para o cargo de enfermeiro é de R$ 4.689,13, enquanto para engenheiro e médico é pago R$ 4.903,05.
Como benefícios, são oferecidos vale alimentação/refeição; vale transporte; auxílio creche ou auxílio babá; auxílio para filhos dependentes com deficiência; e possibilidade de adesão a plano de previdência complementar.

Distribuição

Há chances para lotação em Brasília/DF (6), Rio Branco/AC (1), Maceió/AL (1), Manaus/AM (1), Macapá/AP (2), Salvador/BA (4), Fortaleza/CE (2), Vitória/ES (3), Goiânia/GO (2), São Luís/MA (1), Belo Horizonte/MG (7), Campo Grande/MS (1), Belém/PA (1), João Pessoa/PB (2), Recife/PE (6), Teresina/PI (1), Curitiba/PR (3), Rio de Janeiro/RJ (4), Natal/RN (2), Porto Velho/RO (2), Boa Vista/RR (1), Porto Alegre/RS (12), São José/SC (4), Aracaju/SE (2), Bauru/SP (5), São Paulo/SP (11) e Palmas/TO (1).
No Ceará, duas vagas efetivas são oferecidas para médico do trabalho (uma delas para portador de deficiência). Os postos de engenheiro de segurança do trabalho, auxiliar de enfermagem e técnico em segurança do trabalho comporão cadastro reserva no Estado.
Do total de vagas em disputa, 11 são destinadas a candidatos que se declararem negros e 20 a pessoas com deficiência.
Paralisação parcial não afeta atendimento dos Correios

Inscrições e prova

Será possível se inscrever entre 9 e 20 de outubro, pelo do site Iades (http://www.Iades.com.br). O valor das taxas é de R$ 50 para nível médio/técnico e R$ 70 para superior.
Estará isento do pagamento da taxa de inscrição o candidato que, no termos do Decreto nº 6.135, de 26 de junho de 2007: estiver inscrito no Cadastro Único – CadÚnico para Programas Sociais do Governo Federal; e for membro de família de baixa renda. A documentação deverá ser enviada para o e-mail isencaocorreios@iades.Com.Br, até o dia 16 de outubro de 2017.
Os candidatos serão avaliados em etapa única, por meio de prova objetiva com 50 questões de múltipla escolha. O exame está marcado para 26 de novembro e ocorrerá em todos os municípios com oferta de vagas. O teste abordará conteúdos de Língua Portuguesa, Raciocínio Lógico/Matemática, Informática, Legislação aplicada aos Correios e Conhecimentos Específicos.
O concurso terá validade de um ano, prorrogável por mais um, a critério da empresa.