Como fica o concurso Correios com fechamento de agências? Entenda!

Na última terça, 16, os Correios iniciaram o fechamento de agências no país. Mas, como fica a realização de um próximo concurso? Entenda!

Na última terça-feira, 16, os Correios iniciaram o fechamento de 41 agências em todo o país. Segundo a empresa, a estratégia faz parte de um processo de remodelagem da rede de atendimento.

No entanto, quem deseja ingressar no quadro de funcionários da companhia se pergunta: Como fica o concurso para os Correios? FOLHA DIRIGIDA questionou a empresa e traz os esclarecimentos sobre o assunto. Entenda!

Segundo os Correios, estão sendo encerradas as atividades de duas agências no Rio de Janeiro, sendo elas no Tanque, em Jacarepaguá, e na Dias da Rocha, em Copacabana. Como alternativa de atendimento, os clientes podem se dirigir às unidades da Taquara e AC Copacabana, respectivamente. Além delas:

“Agências também serão encerradas nos Estados do Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Piauí, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Roraima, Rio Grande do Sul e São Paulo”, segundo os Correios.

No entanto, questionado sobre a situação dos funcionários das unidades fechadas, os Correios informaram que não haverá demissões . “Os funcionários serão realocados em outras agências“, informou a empresa.

O objetivo da ação, segundo os Correios, é otimizar e realocar os recursos existentes, para colaborar com a sustentabilidade da empresa e nas melhorias do atendimento aos cidadãos. “As unidades que estão sendo desativadas ocupam imóveis alugados, estão sombreadas por outras próximas e são deficitárias“, afirmou a companhia.

Sobre o impacto para os clientes, os Correios informaram que as agências estão sendo fechadas porque possuem um número muito pequeno de atendimentos por mês. Além disso, segundo a empresa, a intenção é remodelar a rede e os serviços à população, ampliando os canais de atendimento.

“Hoje temos cerca de 12 mil pontos. Até 2021, pretendemos ampliar essa rede para 15 mil pontos”, afirmaram os Correios.

Fonte: Folha dirigida (Leia o artigo completo)

Correios fecharão 41 agências neste mês

Medida faz parte de um processo de otimização e readequação das agências

Os Correios irão fechar neste mês 41 agências que estão em imóveis alugados e próximas a outras unidades.

“O processo de otimização e readequação das agências prevê a desativação de 41 unidades de atendimento, já neste mês de outubro, que ocupam imóvel alugado e estão sombreadas por outras agências próximas, com distância não superior a 2km”, informou os Correios ao G1.

A estatal justificou que a desativação das unidades faz parte de um “processo de remodelagem da rede de atendimento, por meio da otimização e realocação dos recursos existentes, que, além de colaborar com a sustentabilidade da empresa, resultará em melhorias no atendimento aos cidadãos”.

Segundo nota enviada ao G1, os Correios informaram que novos modelos de atendimento serão implementados, com o objetivo de ampliar a rede de agências de 12 mil pontos de atendimento para aproximadamente 15 mil até 2021. Uma das inovações será a implantação de agências móveis de forma gradativa a partir do ano que vem.

“Informações sobre o encerramento das atividades da agência e sobre as unidades que poderão realizar o atendimento serão comunicadas amplamente à população e imprensa locais”, informou a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT).

Questionada sobre o total de agências que já foram fechadas, a estatal não respondeu. Mas garantiu que não haverá demissões de funcionários com a desativação das agências.

Em entrevista ao G1 em junho, o presidente da estatal, Carlos Fortner, disse que, para ser economicamente viável, uma agência precisa fazer, em média, 270 atendimentos diários, mas algumas registram número muito inferior.

Ele disse na ocasião que servidores que não forem mais necessários poderão ser transferidos para outras áreas dos Correios ou serem cedidos para outros órgãos.

Os Correios fizeram dois planos de demissão em 2018. Segundo Fortner, não há previsão de outro plano para este ano.

Fortner informou ainda que a ECT deve disponibilizar serviços já ofertados pelos concorrentes do setor de encomendas, como o “porta a porta”, em que o carteiro busca a encomenda na casa do cliente e a entrega no local de destino, e o de entrega feita por motoboys, que substituiriam os carteiros motorizados, reduzindo o custo do serviço.

Fonte: G1 (Leia o artigo completo)

Presidente dos Correios discute com Eunício solução para bancos postais

Presidente dos Correios discute com Eunício solução para bancos postais

O presidente dos Correios, Guilherme Campos Júnior, acompanhado do superintendente dos Correios no Ceará, Érico Jovino, e dos deputados federais Moses Rodrigues (PMDB-CE) e Genecias Noronha (SD-CE) buscaram junto ao presidente do Senado, Eunício Oliveira, uma solução para evitar o fechamento dos bancos postais em diversas cidades do país. O encontro ocorreu na quarta-feira (13).

Guilherme Campos explicou que a Justiça tem exigido que os Correios cumpram determinação da Lei 7102/1983 a fim de que toda agência da instituição com banco postal tenha, pelo menos, um vigilante que garanta a segurança do local. O problema, segundo Campos, é que os Correios não têm recursos suficientes para arcar com um vigilante, principalmente em cidades pequenas onde as agências são deficitárias.

O presidente dos Correios argumentou ainda que, em algumas regiões, o valor repassado pelo Banco do Brasil (BB) mal cobre o custo dos bancos postais. Durante a conversa, ficou decidido que será proposto ao BB bancar o emprego desse vigilante. De acordo com o presidente do Senado, esta pode ser, inclusive, uma contrapartida do banco que vêm fechando agências e postos pelo interior do Brasil.

Da Assessoria de Imprensa da Presidência do Senado

Fonte

Segundo um comunicado fixado na unidade de Santa Rosa, o último dia de funcionamento será nesta sexta-feira

Rio vai perder 21 agências dos Correios até o fim de 2017

Duas serão fechadas em Niterói e em SG uma já encerrou suas atividades. Empresa alega readequação no atendimento

Residentes do estado do Rio poderão encontrar mais dificuldades ao enviar e receber correspondências. Até o final de 2017, 21 agências dos Correios terão suas atividades encerradas, sendo duas destas localizadas em Niterói e uma em São Gonçalo. No município niteroiense, as unidades de Santa Rosa e do Mocanguê foram as selecionadas para o processo. Já a filial de Neves, na cidade vizinha, foi fechada no último 14 de agosto.

De acordo com informações da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, a agência da Ilha do Mocanguê fará seu último atendimento ao público em 29 de setembro deste ano. As ações fazem parte de um projeto de fusão de agências, tomadas com o intuito de reverter o cenário financeiro da empresa. Ainda segundo os Correios, o processo está ocorrendo gradualmente, para minimizar os impactos da decisão aos clientes. Por todo o Brasil, serão 250 unidades escolhidas, identificadas em municípios acima de 50 mil habitantes.

R. Bernardo Vianna, 52 - Centro, Valença - RJ, 27600-000

Correios anuncia fim da agência em distrito de Valença

Moradores se unem pela permanência e pedem apoio aos políticos

Santa Izabel do Rio Preto – De acordo com os Correios, a agência localizada no 3º distrito de Valença está com os dias contados: 29 de setembro. A notícia vem sendo comentada há algumas semanas pelo vereador Marcelo de Oliveira (Marcelo de Santa Izabel), que vem através das redes sociais questionando a medida tomada pela direção da estatal. Segundo a Assessoria de Imprensa dos Correios no Estado do Rio, a iniciativa faz parte de projeto de fusão que tem como objetivo reverter o cenário financeiro da empresa. Para os moradores, a situação é grave, já que não é só o envio de correspondências que ficará comprometido: com o fechamento da agência, será o fim também do Banco Postal.

Segundo Lauro Roberto dos Santos, presidente da Associação de Moradores, a notícia do fechamento chegou há algumas semanas: um comunicado pregado ao lado porta da agência.

“Assim que nós ficamos sabendo, nós entramos com uma ação no Ministério Público Federal, pedindo o cancelamento do encerramento dos trabalhos”.

Lauro conta que a comunidade participou de abaixo-assinado, somando aproximadamente quinhentas assinaturas, sendo o documento entregue na mão do superintendente regional.

“Estamos fazendo novo abaixo-assinado, para poder enviar para Brasília!”. Para ele, o fechamento da agência atinge, principalmente, os habitantes de menor renda daquela comunidade, em virtude da dificuldade de locomoção para a sede em Valença. “

A agência mais próxima é em Conservatória. Fica a mais ou menos trinta minutos de carro, cerca de 23 km”, informou ele, lembrando que a empresa que faz o transporte coletivo neste trajeto só oferece três horários. Lauro lembra que o distrito tem mais de trezentos quilômetros de estradas vicinais e grande parte da população da zona rural usa os serviços da agência dos Correios.