Polícia apreendeu TV, computador e celulares (Foto: Polícia Militar/Divulgação)

Funcionário dos Correios é preso suspeito de roubar mercadorias

Polícia apreendeu TV, computador e celulares (Foto: Polícia Militar/Divulgação)

Um funcionário dos Correios foi preso na última quinta-feira (23) acusado de violar mercadorias e revender os produtos que trafegavam pelo sistema postal. Celulares eram os principais produtos furtados, mas a polícia afirmou também ter localizado televisores e um notebook, que teriam sido comercializados a moradores de Montezuma, no norte do estado de Minas Gerais.

O suspeito, com 28 anos de idade, foi preso com dois celulares sem nota fiscal em sua posse e confessou a autoria do crime. Além dele, outras duas pessoas que teriam adquirido os produtos foram levadas à delegacia e autuadas por receptação culposa (quando alguém adquire um artigo e ignora a possibilidade de ele ter sido fruto de um crime), sendo liberadas na sequência.

A polícia de Montezuma chegou ao suspeito após rastrear um telefone celular que deveria ser entregue na cidade de Arinos, mas acabou extraviado. As autoridades localizaram o aparelho com um jovem de 22 anos, que disse tê-lo obtido com o acusado em caráter de testes. No momento em que foi abordado, ele disse estar indo voluntariamente à delegacia para entregar o smartphone, pois havia decidido não finalizar a compra por suspeitar do valor cobrado, bem abaixo do mercado.

Em nota, os Correios informaram já estarem realizando uma investigação interna para apurar o caso, que pode levar à demissão do suspeito. A estatal disse que a conduta dele não condiz com as normas da empresa nem traduz o comportamento de seu quadro de funcionários. O acusado permanece preso, autuado por receptação majorada, quando o furto de materiais acontece dentro de unidades de serviço público ou envolvendo artigos pertencentes à União. Ele está sujeito a penas de três a oito anos de prisão, além de multa.

Central Braile dos Correios comemora 10 anos

Central Braile dos Correios comemora 10 anos

O serviço Postal Braile dos Correios completou 10 anos nesta quinta-feira (5). Por meio dele, pessoas com deficiência visual ganham independência e privacidade para se comunicarem por meio de correspondências. Ao receber mensagens – que podem ser escritas em braile, ou de forma convencional – a Central Braile dos Correios as convertem para a linguagem de domínio do destinatário.

A iniciativa foi idealizada, em 2007, pelo advogado Mário Alves de Oliveira, que perdeu a visão ainda na adolescência. Atendendo a clientes em todo o território nacional, a Central funciona em Belo Horizonte (MG) e já transcreveu mais de 2,3 mil mensagens apenas neste ano. Além de atender pessoas físicas,  correspondências comerciais e de órgãos públicos também são convertidas da escrita comum para o braille e vice-versa.

O serviço funciona da seguinte maneira: um comunicado bancário, por exemplo, enviado para um cliente cego, ou com pouca visão, é convertido para a linguagem tátil acessada por ele. Ao mesmo tempo, clientes podem escrever mensagens em braile e enviar para a Central, que as converterá para o alfabeto latino e enviará ao destinatário final.

O Postal Braille certificou os Correios em grau de excelência em sustentabilidade, por meio do Prêmio IBEF, promovido em 2013 pelo Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças. Para utilizar o serviço, as correspondências devem ser endereçadas à Central Braille dos Correios:  Av. Afonso Pena, 1270 – sala 202 – Belo Horizonte – MG CEP: 30130-971.

Acessibilidade – O portal dos Correios foi pensado para se adequar às necessidades de todos os cidadãos incluindo as pessoas com deficiência. Em 2012,  foi implantada a barra de acessibilidade, que permite aumentar a fonte, o contraste e facilita a leitura por softwares usados por deficientes visuais. Os Correios também produzem cecogramas, nacionais e internacionais, que são correspondências impressas em relevo pelo sistema braile, clichês (placas de metal gravadas em relevo para impressão de textos) e registros sonoros, como CDs, expedidos por/ou endereçados às instituições de cegos oficialmente reconhecidas – todos com postagem gratuita.

Fonte

Minas Gerais: Suspeito é baleado e dois policiais ficam feridos em tentativa de assalto aos Correios

Minas Gerais: Suspeito é baleado e dois policiais ficam feridos em tentativa de assalto aos Correios

Uma tentativa de assalto terminou com um suspeito baleado e dois policiais feridos durante a madrugada deste domingo (1º) em Ouro Fino (MG). Policiais chegaram ao local durante a ação dos suspeitos e houve troca de tiros.
A Polícia Militar foi acionada por moradores próximos à agência que ouviram a movimentação dos suspeitos no local. Quando os militares chegaram aos correios, os criminosos tentavam abrir um cofre com a ajuda de um maçarico.

Ao perceberem a presença dos policiais, os suspeitos atiraram, houve troca de tiros e luta corporal. Um dos suspeitos foi atingido com um tiro no pé. Os policiais ficaram feridos com as agressões.

Dois criminosos foram presos e levados à unidade da Polícia Federal em Varginha. O suspeito baleado foi levado ao hospital da cidade. Um terceiro suspeito continua foragido.

Fonte

Em greve, Correios farão mutirão atualizar entregas

Em greve, Correios farão mutirão para atualizar entregas

Os Correios anunciaram um mutirão neste fim de semana, hoje e amanhã, para colocar em dia a entrega de cartas e encomendas atrasadas em razão da greve dos trabalhadores, que foi deflagrada na última quarta-feira (21). Parte dos trabalhadores da empresa em 21 estados e no Distrito Federal está com as atividades suspensas, de acordo com a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect).

A Bahia é um dos estados em greve, mas um total de 3.857 empregados continua desempenhando suas atividades normalmente, segundo a Coordenação de Comunicação dos Correios na Bahia. O número corresponde a 74,91% do efetivo total no estado. Em todo o Brasil, 91,3% do efetivo dos Correios está trabalhando normalmente – o que corresponde a 99.130 empregados, ainda de acordo com a empresa.

Em nota, os Correios informaram que o mutirão deste fim de semana “nas localidades em que há paralisação parcial faz parte do Plano de Continuidade de Negócios, que também prevê medidas como deslocamento de empregados entre as unidades e realização de horas extras”.

O comunicado diz ainda que “a rede de atendimento está aberta em todo o país e todos os serviços, inclusive o SEDEX e o PAC, continuam sendo postados e entregues em todos os municípios do país, sem exceções”.

Já os serviços com hora marcada (Sedex 10, Sedex 12, Sedex Hoje, Disque Coleta e Logística Reversa Domiciliária) estão com postagens suspensas para os seguintes destinos: Alagoas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Pará, Paraíba e Piauí, e para as cidades de São José dos Campos (SP), Ribeirão Preto (SP), Campinas (SP) e São José do Rio Preto (SP). O volume dos serviços com hora marcada postado para esses destinos representa apenas 0,5% de todas as encomendas entregues pelos Correios e a suspensão foi realizada com o intuito de redirecionar os recursos para os demais serviços, que são os mais utilizados pelos clientes.

Quanto à negociação, os Correios alegam que continuam as tratativas com representantes da Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios (Findect). Segundo a empresa, a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect) decidiu iniciar a paralisação nas bases de seus sindicatos filiados antes de esgotado o diálogo sobre as cláusulas previstas no acordo.

“A atitude da Fentect coloca em risco não apenas a qualidade dos serviços prestados aos clientes e à população brasileira, mas compromete a sustentabilidade dos Correios e prejudica todo o esforço realizado durante este ano para reverter a situação financeira da empresa”, diz a nota.

A Fentect afirma que a greve foi o último recurso e que está aberta a negociação, mesmo após 50 dias de conversas sem chegar a um acordo.

Fonte

Funcionários dos Correios entram em greve em 18 Estados e DF

Funcionários dos Correios entram em greve em 18 Estados e DF

Funcionários dos Correios paralisam suas atividades em 18 estados e fazem protesto (Antônio Cruz/ ABr)

Os trabalhadores da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) em 18 estados e no Distrito Federal estão em greve a partir de hoje (19), por tempo indeterminado. Eles reivindicam reajustes salariais e reposição de perdas. Em Brasília, os trabalhadores prometem ficar mobilizados desde o começo da manhã, em manifestação em frente ao Ministério das Comunicações, onde aguardam reunião com representantes do governo. Às 10h30 haverá uma audiência no Tribunal Superior do Trabalho (TST).

O salário inicial de carteiros, atendentes comerciais e operadores de triagem e transbordo é R$ 942. Dos 35 sindicatos da categoria, dez ainda farão assembleias de hoje até o dia 25. Uma das maiores empresas empregadoras no regime de, Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), os Correios têm mais de 115 mil funcionários.

Aprovaram a paralisação os empregados dos Correios em Alagoas, no Amazonas, Ceará, Distrito Federal, em Goiás, Mato Grosso, na Paraíba, no Paraná, em Pernambuco, no Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, em Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e no Tocantins. Em Minas Gerais e no Pará, a categoria já havia iniciado a greve na semana passada.

O comando de negociação da Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios, Telégrafos e Similares (Fentect) reivindica 43,7% de reajuste, R$ 200 de aumento linear e piso salarial de R$ 2,5 mil. Mas quatro sindicatos dissidentes (São Paulo, Rio de Janeiro, Tocantins e Bauru), que se desfiliaram da federação, pedem 5,2% de reposição, 5% de aumento real e reajuste linear de R$ 100.

A empresa sustenta que o índice de reajuste de 5,2% oferecido aos trabalhadores garante o poder de compra e repõe a inflação do período, diz a ECT em seu blog institucional. Os Correios informam ter um plano de contingência para manter a prestação de serviços à população.

Frente ao autoritarismo patronal e contra a privatização, trabalhadores e trabalhadoras dos Correios aprovam estado de greve

Segundo a ECT, há um plano com medidas como a realocação de empregados das áreas administrativas, a contratação de trabalhadores temporários e a realização de horas extras e mutirões para triagem e entrega de cartas e encomendas nos fins de semana. Em nota, a assessoria da empresa diz que apenas os itens econômicos da pauta de reivindicações dos sindicatos, se atendidos, gerarão acréscimo até R$ 25 bilhões na folha, cuja previsão de receita é R$ 15 bilhões para 2012.

Fonte