Papai Noel dos Correios: Campanha de Natal realiza sonhos há quase 30 anos

Para milhões de crianças brasileiras, um presente de Natal é algo tão distante quanto a Lapônia, região no norte da Escandinávia onde “vive” o Papai Noel. Porém, desde 1989, os Correios vêm quebrando essa barreira entre sonho e realidade com sua campanha Papai Noel dos Correios.

“A campanha não nasceu como uma ‘campanha’, mas como uma ação que partiu dos próprios funcionários dos Correios. A central recebia cartas endereçadas ao Papai Noel, e os funcionários, sensibilizados com alguns pedidos, se uniam para realizar os sonhos daquelas crianças. A coisa foi crescendo com o tempo e assim, no boca a boca, essa ação solidária passou a ganhar a força de uma campanha que une todo o Brasil em uma corrente do bem”, conta Marta Maria Manassero, assessora de planejamento e gestão dos Correios e porta-voz da campanha de Natal.

Apenas no ano passado, os Correios receberam mais de 1 milhão de cartinhas. Mais de 600 mil foram adotadas, ou seja, cerca de 60% de pedidos atendidos — quase o dobro dos cerca de 33% desde que a ação ganhou a força de uma campanha oficial da empresa, em 2005.

Lançada no começo do mês de novembro, a campanha Papai Noel dos Correios de 2018 já soma mais de 580 mil cartas recebidas e 315 mil adotadas por pessoas em todo o País.

“Adorei participar em 2017, e este já é o segundo ano que eu adoto uma cartinha. Neste ano eu escolhi 4. Se a criança não pede um brinquedo, eu sempre faço questão de mandar um junto com o que ela pediu”, afirma a dona de casa Maria Lúcia Ramaciotti, que tinha acabado de escolher suas cartas quando a reportagem do HuffPost Brasil foi à Casa do Papai Noel, estrutura montada na agência no bairro da Vila Leopoldina, em São Paulo.

Critérios de escolha das cartinhas

O único critério utilizado para a triagem de cartas que participam das campanhas é que elas sejam de crianças de até 10 anos de idade, com exceção de pessoas com deficiência.

Além das cartas de crianças que escrevem diretamente ao Papai Noel, participam também da campanha estudantes das escolas da rede pública até o 5º ano do ensino fundamental e de instituições parceiras da ação, como creches, orfanatos e núcleos socioeducativos.

Essa triagem é feita na Sala dos Sonhos, onde funcionários de diversas áreas dos Correios se revezam para separar e catalogar cada cartinha.

“Eu sou um rena, só falta o nariz vermelho”, brinca Claudia Maria Pereira da Silva, coordenadora da Sala dos Sonhos há 10 anos. No restante do ano, ela trabalha como agente dos Correios na área de suporte. “Depois que comecei a participar da campanha, nunca mais reclamo de nada. Já vi milhares de cartinhas pedindo comida porque a criança tinha apenas a merenda da escola como única refeição do dia. É de cortar o coração, mas ao mesmo tempo é uma felicidade muito grande poder ajudar tantas crianças a ter uma alegria nessa data tão especial”, diz Claudia.

Os pedidos de presente de Natal

Mesmo com toda a boa vontade do mundo, ao procurar uma cartinha para adotar, muitas pessoas se assustam com pedidos de presentes caros. Mas isso não é algo que preocupe os Correios.

“Crianças sempre serão crianças, independentemente de sua classe social. Muitas vezes elas querem o que está na moda ou mesmo algo que sempre sonhou em ter e nunca teve. Isso não é um problema para nós. O que importa é que toda elas, independentemente se sua cartinha será adotada ou não, receberão uma cartinha do Papai Noel, e essa resposta faz toda a diferença”, explica Marta. “Se a pessoa achar o pedido muito caro, há sempre a possibilidade de se adotar uma cartinha em grupo”, acrescenta.

HuffPost Brasil adota cartinhas

A equipe do HuffPost Brasil também participou da campanha. Foram 10 cartinhas adotadas, 5 de meninos e 5 de meninas.

Entre os desejos, bonecas, carrinhos, videogame, bonecos de super-heróis e até um gato de verdade — mas nesse caso a criança deu a opção de dar um brinquedo, já que embalar um gato seria complicado. Pedidos de roupinha e calçado também foram feitos.

Por recomendação dos Correios, as identidades das crianças não podem ser informadas.

Como participar do Papai Noel dos Correios

Para adotar uma cartinha você pode ir a um das agências dos Correios listadas aqui. Não há limite para a adoção; você pode adotar quantas cartas quiser.

Após adotar, leve o presente devidamente embalado até o local definido pelos Correios na sua localidade e pronto, os ajudantes do Papai Noel dos Correios fazem o resto do trabalho.

A data limite para a entrega dos presentes varia de acordo com o estado. Essa informação pode ser consultada aqui.

Fonte: Huffpostbrasil

Casa do Papai Noel dos Correios é inaugurada em São Paulo

A tradicional campanha Papai Noel dos Correios foi lançada na terça-feira, dia 6, em Brasília. Mas a casa do bom velhinho tem inauguração marcada para a manhã desta segunda-feira, 12, no bairro Vila Leopoldina, em São Paulo.

Além da Fábrica de Brinquedos, onde os presentes que são doados para as crianças são separados e encaminhados aos centros de distribuição, o local terá uma série de atividades lúdicas para os pequeninos que foram cadastrados.

Haverá apresentação musical, a chegada do Papai e da Mamãe Noel, boas-vindas do anfitrião, leitura de uma carta endereçada ao casal e apresentação da primeira ação voluntária em prol da campanha. Este ano, assim como na última edição, a campanha traz a possibilidade de adoção de cartinhas pela internet em algumas cidades.

Em Belém, Cuiabá, Goiânia, Porto Alegre, Recife, Salvador e em São Paulo, quem quiser “adotar” online pode acessar o blog da campanha e apadrinhar o pedido de uma criança. Nesse caso, a entrega do presente pelo padrinho deve ser feita no ponto de entrega indicado.

Ao longo dos 29 anos da campanha, milhões de crianças tiveram seu pedido atendido. Somente nos últimos três anos, foram recebidas mais de 2,6 milhões de cartas destinadas ao Papai Noel dos Correios.

Além das cartas das crianças que escrevem diretamente ao Papai Noel, participam da campanha estudantes das escolas da rede pública, até o 5º ano do ensino fundamental, e de instituições parceiras, como creches, abrigos, orfanatos e núcleos socioeducativos.

A campanha Papai Noel dos Correios nasceu pela iniciativa de alguns empregados, que, durante a rotina de trabalho, recebiam cartas escritas por crianças, destinadas ao Papai Noel. Sensibilizados, resolveram eles mesmos atender o pedido de algumas crianças. Com o passar do tempo, a ação foi ganhando proporção e acabou se transformando em um projeto corporativo dos Correios.

A adoção pelos padrinhos é feita da mesma maneira em todo o Brasil: as cartas enviadas pelas crianças são lidas e selecionadas. Em seguida, são disponibilizadas na casa do Papai Noel ou em outras unidades da empresa.

Os Correios não distribuem cartas para adoção diretamente à população, em suas residências. As cartas do Papai Noel dos Correios ficam disponíveis apenas nos locais indicados no blog da campanha.

Os presentes são recebidos nos pontos de entrega divulgados pelos Correios para que, posteriormente, a empresa realize a distribuição. Não é permitida a entrega direta do presente e, para assegurar a observância desse critério, o endereço da criança não é divulgado ou informado ao padrinho.

As datas, locais e horários da campanha podem variar em cada Estado. Todas as informações sobre o Papai Noel dos Correios 2018 poderão ser obtidas no blog (https://blog.correios.com.br/papainoeldoscorreios/).

Fonte: Em