Como fica o concurso Correios com fechamento de agências? Entenda!

Na última terça, 16, os Correios iniciaram o fechamento de agências no país. Mas, como fica a realização de um próximo concurso? Entenda!

Na última terça-feira, 16, os Correios iniciaram o fechamento de 41 agências em todo o país. Segundo a empresa, a estratégia faz parte de um processo de remodelagem da rede de atendimento.

No entanto, quem deseja ingressar no quadro de funcionários da companhia se pergunta: Como fica o concurso para os Correios? FOLHA DIRIGIDA questionou a empresa e traz os esclarecimentos sobre o assunto. Entenda!

Segundo os Correios, estão sendo encerradas as atividades de duas agências no Rio de Janeiro, sendo elas no Tanque, em Jacarepaguá, e na Dias da Rocha, em Copacabana. Como alternativa de atendimento, os clientes podem se dirigir às unidades da Taquara e AC Copacabana, respectivamente. Além delas:

“Agências também serão encerradas nos Estados do Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Piauí, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Roraima, Rio Grande do Sul e São Paulo”, segundo os Correios.

No entanto, questionado sobre a situação dos funcionários das unidades fechadas, os Correios informaram que não haverá demissões . “Os funcionários serão realocados em outras agências“, informou a empresa.

O objetivo da ação, segundo os Correios, é otimizar e realocar os recursos existentes, para colaborar com a sustentabilidade da empresa e nas melhorias do atendimento aos cidadãos. “As unidades que estão sendo desativadas ocupam imóveis alugados, estão sombreadas por outras próximas e são deficitárias“, afirmou a companhia.

Sobre o impacto para os clientes, os Correios informaram que as agências estão sendo fechadas porque possuem um número muito pequeno de atendimentos por mês. Além disso, segundo a empresa, a intenção é remodelar a rede e os serviços à população, ampliando os canais de atendimento.

“Hoje temos cerca de 12 mil pontos. Até 2021, pretendemos ampliar essa rede para 15 mil pontos”, afirmaram os Correios.

Fonte: Folha dirigida (Leia o artigo completo)

Nota de esclarecimento sobre reportagem do Bom Dia Brasil

A respeito da reportagem veiculada na manhã desta quinta-feira, 18, no Bom Dia Brasil, da TV Globo, os Correios comunicam que a abordagem da emissora foi equivocada. A fim de informar corretamente a sociedade, a empresa esclarece:

Os Correios desenvolveram um projeto de remodelagem de sua rede física que prevê a implantação de novos canais de atendimento, físicos e digitais, e a substituição gradativa das unidades convencionais atuais por outras, mais modernas e direcionadas para atender às necessidades dos clientes.

A primeira etapa do projeto prevê o encerramento de agências deficitárias, que ocupam imóveis alugados e estão localizadas a menos de dois quilômetros de outra unidade de atendimento. As 41 agências citadas na reportagem se enquadram nesses critérios, sendo unidades sombreadas por outras agências próprias dos Correios, e representam apenas 0,34% do total de 12 mil pontos de atendimento existentes em todo o país.

A segunda etapa prevê a implantação de novos modelos de agências, diferenciados em relação aos atuais, como agências modulares, as chamadas store in store, que serão postos dos Correios dentro de comércios já estabelecidos, como farmácias, papelarias ou lojas de departamentos. Outro modelo que vem sendo desenvolvido é o de agências móveis, com design compacto, dentro de veículos utilitários com alta mobilidade, que prestarão serviços de mensagens e encomendas em distritos rurais próximos entre si e distantes de regiões urbanas.

Com a implantação do projeto de remodelagem da rede, o número de unidades de atendimento dos Correios deve passar dos atuais 12 mil para 15 mil pontos até 2021.

O maior equívoco verificado na reportagem da Globo está em afirmar que o fechamento das agências vai afetar o e-commerce. A entrega de mercadorias compradas pela internet é feita pelos centros de distribuição e não pelas agências. Estas não entregam os objetos, apenas recebem a postagem de cartas e encomendas, além de realizarem a venda de outros serviços. Ou seja, são dois processos completamente distintos.

Sobre a qualidade da distribuição, cabe, ainda, ressaltar que houve uma melhora significativa nos últimos meses e hoje os Correios já apresentam qualidade operacional de 98% nas entregas de encomendas, ou seja, a cada 100 objetos, 98 chegam no prazo.

No segmento de encomendas, inclusive, que é concorrencial – a empresa disputa, diariamente, a preferência dos clientes no Brasil com mais de 200 empresas de logística regionais, nacionais e multinacionais. Os Correios ocupam a primeira posição nas entregas do comércio eletrônico e destacam-se como o principal parceiro das lojas virtuais brasileiras, o que rendeu à empresa o reconhecimento da ABCOMM com o prêmio de Inovação Digital 2018 de melhor empresa de e-commerce, um dos mais importantes do e-commerce nacional.

Diante disso, merece esclarecimento também a declaração dada pelo próprio presidente da ABCOMM, ao afirmar que os Correios não devem visar ao lucro. Como empresa pública e independente de recursos da União, os Correios têm, sim, o dever de se manter sustentáveis economicamente para poder cumprir seu papel social e continuar atendendo a toda a população brasileira.

Para isso, nos últimos anos, a empresa desenvolveu um processo de reestruturação que já vem dando resultados. De janeiro a agosto deste ano, a receita concorrencial, que corresponde a 55% da receita total da empresa, teve um aumento de 18,7%. Em contrapartida, houve uma queda de 17% nas despesas operacionais e redução de 4,5% nas despesas com pessoal, encargos e benefícios, em relação ao mesmo período do ano passado.

Com isso, os Correios têm recuperado sua saúde econômico-financeira e já apresentam números que mostram essa virada: de um prejuízo de R$ 1,7 bilhão registrado de janeiro a agosto de 2017, passamos, no mesmo período deste ano, para apenas R$ 1 milhão negativo.

Fonte: Correios

Correios fecharão 41 agências neste mês

Medida faz parte de um processo de otimização e readequação das agências

Os Correios irão fechar neste mês 41 agências que estão em imóveis alugados e próximas a outras unidades.

“O processo de otimização e readequação das agências prevê a desativação de 41 unidades de atendimento, já neste mês de outubro, que ocupam imóvel alugado e estão sombreadas por outras agências próximas, com distância não superior a 2km”, informou os Correios ao G1.

A estatal justificou que a desativação das unidades faz parte de um “processo de remodelagem da rede de atendimento, por meio da otimização e realocação dos recursos existentes, que, além de colaborar com a sustentabilidade da empresa, resultará em melhorias no atendimento aos cidadãos”.

Segundo nota enviada ao G1, os Correios informaram que novos modelos de atendimento serão implementados, com o objetivo de ampliar a rede de agências de 12 mil pontos de atendimento para aproximadamente 15 mil até 2021. Uma das inovações será a implantação de agências móveis de forma gradativa a partir do ano que vem.

“Informações sobre o encerramento das atividades da agência e sobre as unidades que poderão realizar o atendimento serão comunicadas amplamente à população e imprensa locais”, informou a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT).

Questionada sobre o total de agências que já foram fechadas, a estatal não respondeu. Mas garantiu que não haverá demissões de funcionários com a desativação das agências.

Em entrevista ao G1 em junho, o presidente da estatal, Carlos Fortner, disse que, para ser economicamente viável, uma agência precisa fazer, em média, 270 atendimentos diários, mas algumas registram número muito inferior.

Ele disse na ocasião que servidores que não forem mais necessários poderão ser transferidos para outras áreas dos Correios ou serem cedidos para outros órgãos.

Os Correios fizeram dois planos de demissão em 2018. Segundo Fortner, não há previsão de outro plano para este ano.

Fortner informou ainda que a ECT deve disponibilizar serviços já ofertados pelos concorrentes do setor de encomendas, como o “porta a porta”, em que o carteiro busca a encomenda na casa do cliente e a entrega no local de destino, e o de entrega feita por motoboys, que substituiriam os carteiros motorizados, reduzindo o custo do serviço.

Fonte: G1 (Leia o artigo completo)

Agência dos Correios no centro de Maceió é arrombada e encomendas são furtadas

Agência dos Correios no centro de Maceió é alvo de criminosos

Bandidos arrombaram e furtaram encomendas da agência dos Correios da Rua do Sol, no centro de Maceió, na madrugada desta sexta-feira (17). A informação é do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios.

Segundo o presidente do sindicato, Altannes Holanda, já é a quarta vez que o prédio é invadido por bandidos, em menos de um ano. Esse tipo de ação tornou-se comum, desde que a vigilância noturna foi retirada.

De acordo com o sindicato, diversas encomendas foram levadas na ação. O caso será investigado pela Polícia Federal (PF), por se tratar de um órgão federal.

Ocorrência foi registrada na madrugada desta sexta (17). Polícia Federal foi acionada para fazer perícia; serviços estão suspensos pela manhã.
Ocorrência foi registrada na madrugada desta sexta (17). Polícia Federal foi acionada para fazer perícia; serviços estão suspensos pela manhã.
Trabalhadores de Correios voltam às suas atividades nesta segunda

Trabalhadores de Correios da Bahia voltam às suas atividades nesta segunda

Após muita conversa a empresa e os trabalhadores chegaram a um acordo. Serāo mantidos 50 ( cinquenta ) agências com vigilantes, até 10/10/2017

Trabalhadores de Correios voltam às suas atividades na manhã de hoje (28/08) depois de cinco dias de greve contra a retirada de vigilantes das unidades.

Após muita conversa a empresa e os trabalhadores chegaram a um acordo. Serāo mantidos 50 ( cinquenta ) agências com vigilantes, até 10/10/2017.  Ainda haverá novas negociações para a permanências dos vigilantes nas demais unidades.

A empresa alega que algumas agências apresentada na lista que o sindicato enviou não apresenta lucro e seria inviável a manutenção do vigilante.

Porém o Sincotelba entende que o lucro, não é mais importante que as vidas dos funcionários e clientes. A luta continua e se preciso for uma nova greve pode ser decretada a qualquer momento.

*Unidos somos fortes.*

Maiores informações:

  • Shirlene Pereira (vice presidente): 99184-0669
  • André Aguiar ( Diretor de Comunicação): 9184-0030