Startup de logística expande pontos de retirada e se apresenta como alternativa aos Correios

A Pegaki anunciou que vai ampliar sua solução de entrega de mercadorias. A startup de logística cria pontos de retirada para compras feitas no e-commerce. Antes, a solução estava disponível apenas para quem comprasse em e-commerces parceiros. Agora, os consumidores podem comprar em qualquer loja virtual e retirar seu pedido em um estabelecimento comercial escolhido.

Como funciona

A startup catarinense se apresenta como uma alternativa aos Correios. Para usar o serviço, o cliente entra no site da Pegaki e faz um cadastro informando o CEP do local onde está, para receber indicações de pontos de retirada próximos daquele endereço.

Após escolher o produto que quer comprar, o consumidor informa em qual e-commerce vai fazer a compra. Ele recebe um e-mail com o endereço do ponto de retirada e um código, que deverão ser utilizados na página de compra do produto.

Com o código e o endereço em mãos, o cliente preenche a página de compra no e-commerce e, no endereço de entrega, insere o endereço do ponto de retirada. O código deve ser inserido no campo complemento. O código entra no sistema da Pegaki e, assim que o produto chegar no ponto de retirada, o cliente recebe um SMS avisando. A taxa de utilização do serviço é de R$ 4,95 por compra. São permitidas apenas entregas que não excedam 15kg.

A Pegaki disponibiliza mais de 600 endereços para a retirada. Farmácias, shopping centers e supermercados estão na lista. Hoje, a startup atua apenas em São Paulo. O objetivo é alcançar 3.000 pontos de retirada, quase a metade do número de agências dos Correios. A responsabilidade de entregar o produto no ponto de retirada é do e-commerce.

A proposta da Pegaki não é trabalhar com lockers, e sim com espaços ociosos nos estabelecimentos. A intenção é gerar valor para todos os envolvidos: o e-commerce, que ganha mais uma forma de entrega, o estabelecimento, que atrai mais pessoas e o consumidor, que pode escolher quando e onde retira seu produto.

Parceiros

O modelo inicial da Pegaki não trabalhava diretamente com o consumidor. O CEO e fundador da empresa, João Cristofolini diz que a primeira solução continua funcionando normalmente: os e-commerces parceiros inserem em sua página a opção de retirar em um dos pontos. “A ideia é ele (consumidor) tenha a liberdade de usar a proposta de logística da Pegaki em todas as suas compras e não esperar que aquele e-commerce seja um parceiro nosso para usufruir dos pontos de retirada”, explica Cristofolini.

Cristofolini está otimista com o lançamento do novo serviço, ele acredita que o modelo já foi bem recebido pelos consumidores no Brasil. “As pessoas não toleram mais atrasos nas entregas, não podem ficar em casa esperando o dia que a encomenda vai aparecer e também não conseguem ir a uma agência dos Correios porque estão trabalhando. Esse modelo de pick up points dá ao consumidor a possibilidade de ir buscar sua compra em um estabelecimento próximo da sua casa ou do seu trabalho em um horário que cabe na agenda dele”, reforça.
Em 2019, a Pegaki pretende lançar três novos formatos de serviços para esses comércios eletrônicos parceiros. As novidades são: pontos de retirada exclusivos; inserção de pontos de coleta de mercadoria para as transportadoras e expansão do serviço de logística reversa.

Fonte: Portal no varejo

Comprei pela internet e não recebi o produto, o que fazer?

O e-commerce trouxe comodidade aos consumidores, isso não há o que negar. A facilidade em escolher entre diversos modelos, pesquisar preços, receber o produto em casa, fez com que deixemos cada vez mais de comprar em lojas físicas. E não é somente aparelhos eletrônicos. Compramos roupas, acessórios, material esportivo, eletrodomésticos e até comida pela internet, mas esse novo hábito tem sido fonte para que criminosos possam tirar vantagem de pessoas. Veja algumas dicas para você que passou por problemas tentar saná-los. E se você ainda não foi vítima, peço que leia também para evitar de cair em golpes.

As lojas, por sua vez, tem que cumprir com normas que vigoram em seus estados e, principalmente, em se tratando de relação de consumo, seguir as normas do código de defesa do consumidor. As relações de compra entre pessoas e empresas (b2c) ou empresas e empresas (b2b), são regulamentadas pelo código do consumidor ou então pelo código civil. Portanto, exija seus direitos.

Comprei e não recebi meu produto, o que fazer?

Nada deve ser mais incômodo do que o prazo de um produto expirar e você ficar a ver navios. Eu pelo menos tenho aflição quando recebo o código de rastreio de um produto. Fico encarando diariamente aquela tela da empresa que faz o transporte para saber por aonde anda a minha encomenda.

Pois bem, e se o produto não chega, como proceder? Primeiro você deve entrar em contato com a empresa que fez a compra e solicitar um retorno dela. Anotar informações como o protocolo do atendimento, a data e os horários que o fez são fundamentais. Este contato é importante, afinal, mostra que você está correndo atrás de seu produto e tentando resolver o problema de forma simples e pacífica.

Caso não haja algum retorno positivo, você pode exigir que a oferta seja cumprida. Oferta = valor do produto, prazo de entrega e forma de pagamento. Ou então, cancelar o pedido, e exigir a totalidade do valor pago corrigido, caso já o tenha pago.

Prazo expirado, o que fazer?

Passado o prazo de entrega, é direito do consumidor decidir o que fazer. Se ainda quer manter o produto ou não. Não importa se a empresa alegue que não havia estoque, ou se a culpa é do fabricante. Prazo expirado, culpa do vendedor e não do comprador. O fornecedor tem a obrigação de ter controle sobre sua atividade e, por isso, só deve estipular prazos e condições de entrega que possa cumprir, sob pena de ter que indenizar o consumidor caso não o faça.

Tentei de tudo, a empresa não retorna, o que fazer?

Procure pela nota fiscal, dirija-se até o PROCON mais próximo, leve o protocolo de atendimento e tudo que você guardou como informação (vale print-screens, confirmação de compra via e-mail, fatura do cartão, etc.). Exija seus direitos e deixe nas mãos do PROCON. Eles vão notificar a empresa que efetuou a venda e tomar as medidas cabíveis. Caso ainda não haja resultado efetivo, aconselhamos a procurar seus direitos juridicamente.

Comprei pelo Mercado Livre e não recebi o produto do vendedor, o que fazer?

Quando compramos em sites de leilão ou onde o processo de venda passa por terceiros, é importante que o consumidor tome algumas precauções extras. O próprio Mercado Livre conta com um sistema muito bom de classificação de vendedores. O vendedor GOLD e PLATINUM, são indícios de que este vendedor tem uma excelente reputação. Certamente, ele não vai querer ter seu nome manchado por uma venda mal entregue e caso ocorra algum problema, certamente se esforçará ao máximo para resolvê-la rapidamente.

Algum dos cuidados básicos que você deve tomar inclui:

  • Verifique a reputação do vendedor;
  • Verifique o endereço do estabelecimento físico do fornecedor;
  • Ligue para o telefone que ele indica para conversar e ter mais informações;

Uma outra dica é sempre pagar através do Mercado Pago, um sistema onde você efetua o pagamento e ele vai para uma conta gerenciada pelo próprio Mercado Livre. O dinheiro só será liberado para o vendedor após você receber o produto e ver que está tudo bem com ele. Caso tenha algum problema com o produto você pode iniciar uma mediação e facilmente poderá reaver seu dinheiro. Portanto, nada de transferência bancária para a conta do vendedor, ok? Ainda mais se ele for um vendedor novato ou não tiver reputação sólida.

Mas comprei de um vendedor e ele não retornou. Neste caso de leilão virtual a questão jurídica se torna um pouco mais difícil, pois o site é intermediário do contato entre o comprador e o vendedor e pode ou não ser responsabilizado pela transação. Depende do julgamento do Juíz, segundo o advogado Philipe Cardoso, da Cardoso Advogados.

Pesquise reputação no site Reclame aqui

Se você ainda não conhece o site Reclame Aqui, deveria. O site é o maior organizador de reclamações na internet brasileira. Com uma simples pesquisa pelo nome da empresa, você já fica sabendo tudo que aconteceu com os consumidores da loja. Problemas de entrega, atrasos, sem respostas, tudo que as pessoas passam, elas postam lá. Verifique no site, a taxa de respostas, e se as pessoas que foram respondidas, voltariam a comprar.

Fonte: Oficina da NET

 

78% das compras de e-commerce no Brasil são ligadas a moda

Pesquisa revela ainda que 70% dos internautas brasileiros buscam experiências de entretenimento e 61% preferem eletrônicos.

Atualmente para adquirir produtos, independentemente do segmento, bastam apenas alguns cliques. Os sites de comércio eletrônico, por exemplo, têm crescido cada vez mais. As compras online devem aumentar 15% este semestre, ante o mesmo período do ano passado, de acordo com previsão da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm).

Para mensurar este crescimento exponencial e entender quais são os segmentos preferidos do consumidor, a Consumer Propensity Study, pesquisa anual que avalia o comportamento, preferências e atitudes de consumo das compras online, levantou em quais setores os brasileiros mais compram no mundo online.

A maioria (78%) utiliza o e-commerce para adquirir produtos ligados a moda, enquanto 74% tem preferência por turismo. Quase 70% dos internautas brasileiros buscam experiências de entretenimento e 61% preferem eletrônicos.

Para Bruno Stuchi, CEO da Aktie Now, devido à alta demanda de compras online, uma das preocupações dos empreendedores deve ser oferecer uma boa jornada de compra ao consumidor.

Uma pesquisa realizada pela New Voice Media, em 2015, mostrou que as companhias americanas totalizaram um prejuízo de US$ 62 milhões por uma experiência de atendimento ruim. Diante disso, de acordo com Stuchi, uma das maiores motivações que levam a fidelização do cliente é justamente a boa experiência na hora da compra. “Ter um suporte online rápido e eficaz, informações claras e disponibilidade para sanar dúvidas sem necessidade de contatar o SAC da empresa, fazem a diferença”, apontou o CEO.

Transformação Digital

O varejo de moda representa bem a transformação digital que os mercados dos mais variados segmentos vêm passando. A expansão do e-commerce é o maior exemplo de que o digital caiu no gosto dos brasileiros. Nesse cenário, as marcas devem ficar atentas às necessidades do consumidor para se manterem competitivas no mercado, com agilidade e personalização do serviço. De acordo com Stuchi, “ter um atendimento online bem estruturado é muito importante principalmente para os e-commerces. Como consequência, há garantia de satisfação do cliente e a manutenção da receita concorrente”.

Além destas vantagens, a transformação digital também dispõe da redução de custos operacionais como um dos principais benefícios. “Imagine quanto tempo uma empresa economiza com um formulário inteligente que direciona a solicitação de atendimento diretamente para a área responsável? E quanto sua empresa ganha, com uma equipe de alta performance e consumidores mais satisfeitos, como resultado de atendimentos priorizados e sinalizados de acordo com a urgência?”, concluiu o CEO.

Fonte: Decision Report

 

Descubra 10 soluções dos Correios para e-commerce

Comprar pela internet é algo que se tornou comum na vida de muitos brasileiros. Só para se ter uma ideia, pesquisas apontam crescimento de até 15% em 2018. O faturamento deve chegar aos R$ 69 bilhões (em 2017 foram R$ 59 bi). O ano pode fechar com cerca de 220 milhões de pedidos pela internet. Os dados são da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm).

E para atender tantos pedidos feitos em milhares de empresas, os Correios, principal fornecedor de soluções para quem compra e para quem vende pela internet, está investindo pesado. Até 2020 serão investidos 108 milhões de dólares na implantação de novos sistemas automatizados de triagem.

Conheça 10 serviços que os Correios disponibilizam para quem trabalha com e-commerce:

Pacotes de serviços de encomendas para o e-commerce

São disponibilizados pacotes específicos para as empresas que atuam no e-commerce, com preços mais atrativos para o envio rápido pelo SEDEX, para quem tem pressa, e PAC, para quem deseja economia.

  • Gerenciamento de postagem

Os Correios oferecem facilidade e rapidez na preparação das postagens e gestão das informações sobre as encomendas postadas. Além de proporcionar consulta online do CEP, endereçamento padronizado, rastreamento, relatórios gerenciais entre outras funcionalidades.

Os Correios podem se integrar com as lojas virtuais para que o comprador possa informar apenas o CEP ao cadastrar um endereço de entrega quando faz uma compra e também calcular o frete automaticamente.

  • Clique e Retire

A funcionalidade, conhecida no mercado de comércio eletrônico como “Click & Collect”, consiste na retirada de encomenda nas mais de 6,7 mil agências dos Correios, em todo o Brasil, por compradores que manifestarem essa preferência na compra online, sem cobrança adicional. O cliente realiza compra na loja virtual que tenha essa funcionalidade cadastrada e a encomenda é encaminhada para a agência escolhida pelo comprador, que recebe notificação por SMS sobre a disponibilidade do seu pedido. O número de telefone celular pode ser cadastrado no site e atualizado no portal dos Correios.

Outra opção dos Correios é o aperfeiçoamento de seus mecanismos de rastreamento de encomendas. Os carteiros contam com smartphones para que a confirmação das entregas se dê em tempo real.

  • Pagamento na entrega

Os Correios oferecem a opção de entregar o produto condicionada ao pagamento pelo destinatário no momento da retirada da encomenda nas agências dos Correios.

  • Logística Reversa

É o serviço de remessa de documentos e mercadorias em devolução, sem ônus ao remetente, para serem entregues exclusivamente no endereço indicado pelo cliente, podendo ser uma localidade diferente do endereço de sua sede.

Permite a coleta do objeto em domicílio ou a postagem em agência por meio de autorização de postagem (e-ticket) e está disponível em 4 modalidades:

  • Logística Reversa Domiciliar

A coleta é realizada no endereço indicado pelo cliente, admitindo-se duas tentativas de coleta em dias úteis consecutivos e permite o agendamento da coleta para realização em até trinta dias após a efetivação do pedido, sempre a critério do cliente.

  • Logística Reversa Simultânea Domiciliar

A coleta é realizada no endereço indicado pelo cliente, mediante a entrega simultânea da mercadoria ou documentos a serem substituídos, para retorno ao endereço também por ele indicado.

  • Logística Reversa em Agência (e-ticket)

Essa modalidade permite a postagem em agências próprias (AC) e franqueadas (AGF) em todo país, por meio da apresentação de um Código de Autorização de Postagem, por parte do remetente do objeto. No entanto, quando houver autorização para fornecimento de embalagem a postagem ficará restrita às unidades próprias. O cliente emite essa autorização, determina os dados de endereçamento tanto do remetente quanto do destinatário e autoriza o remetente a enviar-lhe o objeto ou documento, informando-lhe o Código de Autorização de Postagem

  • Logística Reversa Simultânea em Agência

Processo logístico reverso, realizado em uma Agência de Correios Própria, que consiste na postagem do produto de retorno simultaneamente a entrega do produto substituto em uma Agência Própria dos Correios

  • Embalagens

Os Correios disponibilizam “Guia Técnico de Embalagens Recomendadas pelos Correios” (clique aqui para acessá-lo), no site da empresa, onde estão todas as informações sobre o correto acondicionamento dos produtos e o padrão adequado das embalagens.

Os Correios oferecem também embalagens desenvolvidas para proporcionar uma entrega segura, à venda nas agências ou por meio da loja virtual dos Correios.

  • Importa Fácil

Ficou mais fácil receber suas encomendas internacionais!

Os Correios, em parceria com a Receita Federal, criaram uma plataforma eletrônica que irá garantir celeridade e comodidade no recebimento de remessas internacionais, além de proporcionar maior segurança tanto para quem compra quanto para quem vende. Saiba mais: https://bit.ly/2zjW4AL.

  • Exporta Fácil

O serviço foi criado para atender, principalmente, pequenos e médios empresários, mas está disponível para empresas de todos os portes. Além de oferecer rapidez no processo de desembaraço aduaneiro, outra vantagem do Exporta Fácil é que ele permite exportações de qualquer cidade do Brasil, mesmo daquelas onde não há presença física da Aduana.

As empresas também podem se aproveitar da tendência de logística colaborativa, que consiste, resumidamente, na utilização dos mesmos recursos por empresas diferentes, com o objetivo de reduzir custos. Nesse sentido, os Correios oferecem o Correios Log+, solução completa de logística para o e-commerce, desde a armazenagem e atendimento dos pedidos até o pós-venda.

Fonte: Diário da região (Leia o artigo completo)

Com taxa em compras internacionais, Correios afastam AliExpress do Brasil

Taxa de 15 reais em despacho de encomenda internacional desestimula ainda mais e-commerces chineses por aqui. 22 milhões de brasileiros compram no exterior.

Os famosos “negócios da China” acabaram de se tornar menos atraentes. Os Correios anunciaram nesta semana uma taxação que pode comprometer as compras de 22 milhões de brasileiros em e-commerces internacionais. Todas as encomendas que chegarem ao Brasil pelo serviço postal estão sujeitas à cobrança de uma taxa extra de despacho, no valor fixo de 15 reais.

A medida já está valendo, segundo os Correios. A estatal afirma em nota que o serviço de despacho postal era cobrado apenas para objetos tributados pela Receita Federal. Mas, com o aumento das importações, a estatal “precisou injetar mais recursos na operação”. Esse é mais um capítulo na saga dos Correios, que tentam se recuperar de uma crise econômica que há anos assombra o serviço postal.

Apesar de a taxa fixa incidir sobre todas as encomendas internacionais, as compras que devem ser mais afetadas são as de valores menores. É o caso da maioria das aquisições feitas em lojas online chinesas, como AliExpress e DealeXtreme (DX.com), ou em e-commerces internacionais que revendem produtos chineses, da gigante Amazon ao unicórnio Wish.

De acordo com In Hsieh, CEO da Chinnovation, o ticket médio das compras brasileiras nos e-commerces chineses é de 50 reais, possibilitados também por políticas de descontos agressivos e de fretes grátis. Enquanto isso, o ticket médio do comércio eletrônico brasileiro em geral fica em 418 reais, segundo o relatório Webshoppers, da Ebit. “Nesse sentido, 15 reais é um valor muito significativo. A diferença de preço ainda pode compensar em alguns casos, mas certamente as compras irão diminuir”, diz Hsieh.

Ainda de acordo com o Webshoppers, cerca de 22 milhões de brasileiros realizaram compras no exterior pela internet no ano passado, 40% do total de clientes do comércio eletrônico. O total gasto em e-commerces internacionais passou dos 36 bilhões de dólares, mais do que os 47,7 bilhões de reais de faturamento das empresas nacionais de comércio eletrônico.

Mais da metade desses 22 milhões de brasileiros foram clientes do AliExpress, o maior expoente do e-commerce chinês em terras brasileiras. Criado em 2010, o portal de venda de produtos abaixo do custo conecta diretamente os fabricantes chineses com compradores particulares, especialmente de fora da China. O negócio já passou dos 100 milhões de clientes no estrangeiro.

Fonte: Exame (Leia o artigo completo)